Período de semeadura da soja 2023: veja quando inicia o período nos Estados da Amazônia Legal

As datas para a semeadura da soja têm como objetivo reduzir ao máximo o surgimento da ferrugem asiática.

As datas para a semeadura da soja são estabelecidas pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) como forma de complemento ao período de vazio sanitário. As duas medidas têm o mesmo objetivo, ou seja, reduzir ao máximo o surgimento da ferrugem asiática.

A portaria nº 840, que estabelece os calendários de semeadura de soja referente à safra 2023/2024 para 21 Unidades da Federação, foi publicada pelo (Mapa) em julho de 2023.

O produtor de soja, Gustavo Kanheski explica que o calendário de semeadura existe para que os produtores se protejam contra as pragas e doenças nas lavouras.

“O calendário da semeadura da soja é estabelecido por motivo do vazio sanitário. De agora até a época da semeadura, que é no começo de outubro, não pode ter plantas de soja viva por causa do vaso sanitário para evitar a multiplicação de doenças”, 

explicou o produtor.

Produção de soja no Mato Grosso. Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Mato Grosso 

O período de semeadura da soja no Mato Grosso começa a valer dia 16 de setembro e se estenderá até o dia 24 de dezembro. 

Em 2022, Mato Grosso produziu por volta de 24,7 milhões de quilos de soja, o que gerou mais de U$ 14,4 milhões em exportações para o estado. Já em 2023, até o momento, foram produzidos cerca de 17,2 milhões de quilos e gerou aproximadamente U$ 9,4 milhões em exportações.

Amazonas 

O período de semeadura da soja no Amazonas começa a valer dia 16 de setembro e se estenderá até o dia 24 de dezembro. 

Em 2022, o Amazonas produziu por volta de 13 milhões de quilos de soja, o que gerou mais de U$ 7,6 milhões em exportações para o estado. Já em 2023, até o momento, foram produzidas cerca de 16 milhões de quilos e gerou aproximadamente U$ 8,9 milhões em exportações.

Roraima 

O período de semeadura da soja em Roraima começa a valer dia 19 de março de 2024 e se estenderá até o dia 26 de junho de 2024.

Em 2022, Roraima produziu por volta de 208 milhões de quilos de soja, o que gerou mais de U$ 124 milhões em exportações para o estado. Já em 2023, até o momento, foram produzidos cerca de 4,3 milhões de quilos e gerou aproximadamente U$ 2,6 milhões em exportações.

No Brasil, previsão do IBGE é de recorde histórico da safra para 2023. Foto: Reprodução/Agência Brasil

Tocantins

O período de semeadura da soja em Tocantins começa a valer dia 1º de outubro e se estenderá até o dia 8 de janeiro de 2024.

Em 2022, Tocantins produziu por volta de 3 bilhões de quilos de soja, o que gerou mais de U$ 1,8 bilhões em exportações para o estado. Já em 2023, até o momento, foram produzidos cerca de 1,7 bilhão de quilos e gerou aproximadamente U$ 927 milhões em exportações.

Acre 

O período de semeadura da soja no Acre começa a valer dia 21 de setembro e se estenderá até o dia 29 de dezembro.

Em 2022, o Acre produziu por volta de 24 milhões de quilos de soja, o que gerou mais de U$ 14 milhões em exportações para o estado. Já em 2023, até o momento, foram produzidas cerca de 20,6 milhões de quilos e gerou aproximadamente U$ 11 milhões em exportações.

Amapá

O período de semeadura da soja no Acre começa a valer dia 01 de março de 2023 e se estenderá até o dia 08 de junho de 2024. 

O Amapá espera uma safra de 42,5 mil toneladas de grãos para 2023, de acordo com estimativa do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA). O número é 96,8% maior que a safra de 2022, que foi de 21,6 mil toneladas.

Soja.  Foto: Jcomp/Freepik

Maranhão 

  • Região I 1 – 01 de dezembro de 2023 a 09 de março de 2024
  • Região II 2 – 01 de novembro de 2023 a 08 de fevereiro de 2024
  • Região III 3- 01 de outubro de 2023 a 08 de janeiro de 2024

A produção de milho e soja no estado do Maranhão deverá crescer 3,7% e 5,5%, podendo chegar a 3 milhões de toneladas e 3,77 milhões de toneladas, respectivamente. As informações estão no 5° Levantamento da Safra de Grãos 2022/2023 pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Acompanhe os municípios das regiões 1, 2 e 3 AQUI.

Pará 

  • Região I 4- 16 de setembro de 2023 a 24 de dezembro de 2023
  • Região II 5- 01 de novembro de 2023 a 08 de fevereiro de 2024
  • Região III 6- 16 de novembro de 2023 a 23 de fevereiro de 2024

Acompanhe os municípios das regiões 4, 5 e 6 AQUI.

Rondônia 

  • Região I 10- 11 de setembro de 2023 a 19 de dezembro de 2023
  • Região II 11- 16 de setembro de 2023 a 24 de dezembro de 2023 

As informações do 5º Levantamento da Safra de Grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), informa que a produção total de grãos no estado, projetada em 3,29 milhões de toneladas para 2023. 

Acompanhe os municípios das regiões 10 e 11 AQUI.

As datas para a semeadura da soja são estabelecidas como forma de complemento ao período de vazio sanitário – Foto: Divulgação/Agrodefesa

Ferrugem asiática

As datas para a semeadura da soja são estabelecidas como forma de complemento ao período de vazio sanitário. As duas medidas têm o mesmo objetivo, ou seja, reduzir ao máximo o surgimento da ferrugem asiática, uma doença que pode ocasionar até 75% de perda da safra e que possui alta capacidade de reprodução e disseminação. 

O produtor explica ainda o que é a ferrugem asiática, doença considerada a mais desagradável nas plantações de soja.

“A ferrugem asiática é o vilão da soja. Ela é uma doença que se pegar na lavoura de soja você não vai produzir nem a metade do que é previsto. Por isso que existe vazio sanitário para evitar que as doenças se multipliquem, principalmente a ferrugem”, concluiu.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, as medidas sanitárias e fitossanitárias visam proteger a vida e a saúde humana e animal e a sanidade vegetal por meio de normas, procedimentos e controles aplicáveis ao comércio internacional de produtos agrícolas, de forma a assegurar a inocuidade e a qualidade dos alimentos.

Fonte: Brasil 61

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Saiba quais são as 9 construções mais antigas da Amazônia

Em cada cidade da Amazônia Legal existe ao menos uma construção que exala a história local a partir da colonização.

Leia também

Publicidade