ONG internacional apresenta relatório com 24 assassinatos de ativistas no Brasil em 2019

Global Witness registrou o maior número de mortes desses ativistas no mundo no ano passado. Brasil está em terceiro lugar.

A ONG internacional Global Witness publicou nesta terça-feira (28) um relatório que contabiliza o número de assassinatos de ativistas ambientais e defensores dos direitos humanos em 2019. No Brasil, foram 24 mortos, sendo que 10 eram indígenas. No mundo, os crimes bateram recorde no ano passado: 212 pessoas executadas.

Paulo Paulino Guajajara, assassinado em novembro de 2019, no Maranhão.Foto: Reprodução / ISA / Jesús Pérez-chuseto.com

Dos 24 defensores mortos no Brasil, 10 eram indígenas, nove campesinos, dois de familiares ligados a ativistas, um servidor público e dois classificados como outros. Os estados que mais registraram mortes foram Pará (7), Amazonas (5), Maranhão (4) e Mato Grosso (2). Amapá, Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco e Rondônia registraram, cada estado, um assassinato.

Entre os 10 indígenas assassinados, oito eram da Amazônia: Amazonas (4), Maranhão (3) e Amapá (1). Os outros dois, um do Mato Grosso do Sul e um do Paraná.

“Há um aumento comparado com as 20 mortes que documentamos no ano anterior. No entanto, é importante dizer que os assassinatos representam apenas o ponto mais nítido dos riscos que os ambientalistas enfrentam. Então, no Brasil, ameaças, fustigamento, criminalização, e também ataques contra os parentes dos defensores e defensoras são comuns”, disse Ben Leather, ativista sênior da Global Witness.

“No ano passado, os indígenas tiveram 100 vezes mais chance de serem assassinados do que qualquer outro defensor ou defensora da terra. Eles representaram 42% dos assassinados que nós documentamos no Brasil, mas apenas 0,4% da população”, completou.

O relatório contabiliza as mortes de ativistas ambientais e dos direitos humanos desde 2012. São pessoas que atuam no combate à degradação do clima, uso indevido da terra e defesa dos direitos humanos, com frequente oposição a indústrias com utilização intensa de carbono e sem políticas sustentáveis. De acordo com a ONG, quatro defensores são mortos por semana desde o Acordo do Clima em Paris, em 2015.

Veja o número de assassinatos por país:

  1. Colômbia: 64
  2. Filipinas: 43
  3. Brasil: 24
  4. México: 18
  5. Honduras: 14
  6. Guatemala: 12
  7. Venezuela: 8
  8. Índia: 6
  9. Nicarágua: 5
  10. Indonésia: 3
  11. República Democrática do Congo: 2
  12. Burkina Faso: 2
  13. Romênia: 2
  14. Cazaquistão: 2
  15. Uganda: 1
  16. Peru: 1
  17. Camboja: 1
  18. Bolívia: 1
  19. Gana: 1
  20. Quênia: 1
  21. Costa Rica: 1

Quase metade de todas as mortes ocorreram nos dois primeiros países: Colômbia e Filipinas. A mineração foi o setor que mais teve relação com os assassinatos no mundo, com 50 defensores mortos em 2019. Mais da metade desses assassinados pertenciam a comunidades afetadas na América Latina. As Filipinas foram o país com maior número absoluto, com 16 pessoas assassinadas e relacionadas ao setor.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Borboleta amazônica híbrida: pesquisa comprova nova espécie

As análises genéticas e ecológicas indicam que os primeiros cruzamentos entre as duas espécies de borboletas que originaram a nova ocorreram há cerca de 180 mil anos.

Leia também

Publicidade