Mais de 2 mil pedaços de plástico são retirados de estação ecológica no Amapá

Atividade da Ueap e ICMBio retirou resíduos marinhos que chegaram à Estação Ecológica de Maracá-Jipioca pelo Oceano Atlântico.

Uma ação retirou 2.067 pedaços de plástico que chegaram pelo Oceano Atlântico até a Estação Ecológica de Maracá-Jipioca, no litoral do Amapá. A estação é conhecida como a Ilha das Onças e possui uma das maiores populações de onças-pintadas por metro quadrado do mundo.

Os pesquisadores da Universidade do Estado do Amapá (Ueap) e do Instituto Chico Mendes da Conservação da Biodiversidade (ICMBio) fizeram a coleta em 10 pontos da ilha, em locais como manguezais e em campos inundáveis.

Onça fotografada na Estação Ecológica Maracá-Jipioca, na chamada ‘Ilha das Onças-Pintadas’, no Amapá. Foto: Girlan Dias/ICMbio

Além de plástico, foram recolhidos itens como vidro, alumínios, madeira e borracha. Após a coleta, alguns dos itens foram expostos em uma atividade de educação ambiental para alunos da Escola Estadual Veiga Cabral, no município de Amapá.

O estudo da Ueap analisa a distribuição espacial dos resíduos coletados na estação ecológica a partir dos impactos de atividades humanas no ambiente marinho.

O projeto é coordenado pela pesquisadora Zenaide Palheta Miranda, do Laboratório de Ciências Ambientais da universidade. A ação recebeu financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap).

*Por Rafael Aleixo, do g1 Amapá

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

A realidade da Reserva Legal na Amazônia e o Projeto de Lei 3334/2023

As Reservas Legais, juntamente com as APPs, desempenham um papel essencial nesse contexto, protegendo a vegetação nativa e garantindo acesso aos benefícios proporcionados pelos ecossistemas.

Leia também

Publicidade