Maior degradação florestal dos últimos 15 anos na Amazônia foi causada por queimadas em Roraima

Área na Amazônia afetada pelo dano ambiental chegou a 2.846 km² de janeiro a abril, a maior desde 2009. Roraima foi responsável por 99% da degradação.

A área de floresta degradada na Amazônia foi a maior em pelo menos 15 anos no primeiro quadrimestre de 2024, conforme o monitoramento por imagens de satélite do instituto de pesquisa Imazon divulgado no dia 21 de maio. Do total de 2.846 km² degradados entre janeiro e abril, 99% foram detectados em Roraima devido às queimadas.

Segundo o monitoramento, apenas em abril, foram identificados 693 km² de degradação em Roraima, o que equivale ao tamanho da cidade de Salvador. Já em março, o dano foi de 2.120 km² de degradação florestal, área maior do que a cidade de São Paulo. Ou seja, em somente dois meses o estado teve quase 3 mil km² de floresta degradados, o que representa quase 5 mil campos de futebol por dia com o dano ambiental. A devastação é a maior desde 2009, quando o Imazon passou a mapear a degradação além do desmatamento

A degradação florestal é diferente do desmatamento. Isto porque a degradação florestal é causada pelo fogo ou pela extração seletiva madeireira, já o desmatamento é quando ocorre a remoção total da vegetação, segundo o Imazon.

Em fevereiro e março deste ano, o estado bateu recorde nos focos de calor, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). À época, Roraima concentrou 30% de todos os focos de incêndio registrados no Brasil.

O fogo chegou a consumir casas, animais e a vegetação, mas com o início do período chuvoso, o número de focos caiu.

“Por isso, é muito importante que enquanto os governos federal e dos estados sigam intensificando o combate à derrubada da floresta, sejam realizadas ações específicas de enfrentamento às queimadas, focando principalmente em Roraima sugere Larissa Amorim, pesquisadora do Programa de Monitoramento da Amazônia do Imazon.

Além do estado ter concentrado a maioria das áreas degradadas pelo fogo nos últimos meses, também vem sofrendo com uma seca histórica. A seca severa, que atingiu Roraima no primeiro trimestre e aumentou as possibilidades de incêndio, reduziu a vazão dos principais rios e levou 14 dos 15 municípios a decretarem emergência.

“O risco de queimadas aumenta com o estresse hídrico, que tem sido um grande problema em Roraima. Segundo os nossos monitoramentos da superfície de água no bioma Amazônia, que apresenta dados desde 1985, o estado foi o mais afetado pela redução hídrica, onde as várzeas estão ficando mais secas a cada verão”, explica Carlos Souza Jr, coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia do Imazon e responsável técnico pela iniciativa MapBiomas Água.

Início do período chuvoso em Roraima

O período chuvoso começou oficialmente em Roraima no mês de abril após o estado bater o recorde da série histórica de focos de calor nos meses de fevereiro e março de 2024. A chuva reduziu o número de focos e no mês de maio o estado ocupa a 15ª posição no ranking do país, com apenas 12 registros.

Com os incêndios, a qualidade do ar em Boa Vista chegou a ser considerada péssima e a capital ficou encoberta por fumaça por vários dias. No fim de março, o nível de poluição do ar chegou a superar São Paulo e capital do Vietnã.

Além da diminuição dos focos de calor, o início do período chuvoso causou o aumento do nível do Rio Branco, o principal de Roraima. Devido aos efeitos da seca no estado, intensificada pelo fenômeno El Niño, o curso d’água chegou a registrar 39 centímetros negativos, a segunda maior seca da história.

Agora, o rio voltou a atingir níveis positivos de acordo com a Companhia de Águas e Esgotos de Roraima (Caer), no dia 20 de maio, chegou a 5,01 centímetros. No Rio Branco, durante o período seco, as dunas de areia tomaram conta da paisagem e a água corrente deu lugar à praia extensa.

*Com informações do g1 Roraima

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Entenda qual a função de um consulado e quais estão presentes nas capitais da Região Norte  

Os serviços prestados por um consulado são essenciais na diplomacia internacional, pois fornecem assistência e proteção aos cidadãos de um país em território estrangeiro.

Leia também

Publicidade