Gafanhoto ou bicho-pau? Conheça espécie que usa artimanha adaptada para sobreviver

Na natureza, cada animal deve usar suas habilidades para prosseguir existindo e, dessa maneira, completar o seu ciclo na terra. É o caso do Proscopiidae, que utiliza uma artimanha semelhante ao do bicho-pau.

Ser versátil na natureza é de suma importância para a sobrevivência das espécies. Cada animal deve usar suas habilidades para prosseguir existindo e, dessa maneira, completar o seu ciclo na terra. Quer saber um animal que usa uma artimanha muito interessante para sobreviver? É o Proscopiidae, também conhecido como taquarinhas, que compreende a família de gafanhotos (ordem Ortophera).

Esse gafanhoto é conhecido pelo mimetismo de suas espécies representantes, que se assemelham a gravetos e galhos secos. De acordo com a entomóloga Larissa Queiroz, os insetos são popularmente chamados de ‘bicho-pau‘, mas nada tem haver com o Phasmatodea.

“Ele parece um bicho-pau, mas não é. Ele é um gafanhoto. Na verdade, muitos animais e, até mesmo, plantas, se alimentam de gafanhotos, então eles possuem vários tipos de mecanismos de defesa. No caso dos bichos-paus é se camuflar na natureza parecendo um galho. E é o mesmo tipo de artimanha que essa espécie de gafanhoto utiliza”,

explica.

Diferenças 

Larissa explica também que o verdadeiro bicho-pau apresenta a cabeça arredondada, antenas longas e todas as pernas de tamanho parecido, uma vez que foram feitos só para andar, e em alguns casos apresentam asas.

Já o “falso”, que se utiliza da mesma técnica de camuflagem, apresenta algumas diferenças, entre elas o terceiro par de pernas é maior, pois os gafanhotos são adaptados para pular. Além disso, a cabeça é diferente, mais alongada com a boca maior, uma vez que os gafanhotos são famosos por destruir plantações, e também nunca vai apresentar asas.

E aí? Já conhecia esse inseto?

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Você sabia que o Acre teve governador deposto durante o período do Golpe Militar?

José Augusto de Araújo, primeiro governador do Acre eleito democraticamente, teve de renunciar para evitar conflitos. Seringueiros foram oprimidos pelas políticas de ocupação da Amazônia.

Leia também

Publicidade