Tangará-do-oeste, ave presente na Colômbia e no Peru, é registrada pela primeira vez na Amazônia brasileira

Espécie foi registrada pela primeira vez entre os rios Japurá e alto Amazonas. A compreensão da distribuição geográfica pode ajudar em medidas de preservação das espécies.

Um estudo feito por cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) confirmou que uma espécie de pássaro, o tangará-do-oeste (Chiroxiphia napensis), ocupa parte do território amazônico. Esse é o primeiro registro brasileiro da ave e expande significativamente o entendimento da distribuição geográfica da espécie. A descoberta foi descrita em artigo publicado na sexta (29) na revista científica “Acta Amazonica”.

O registro foi feito pelos pesquisadores a partir da observação de exemplar da espécie do Inpa coletado em 2014, na margem direita do rio Japurá, no Amazonas. O estudo também projetou a distribuição geográfica na Amazônia de outras duas espécies próximas, o tangará-príncipe (C. pareola) e o tangará-de-coroa-amarela (C. regina). Elas são frequentemente reconhecidas como populações da espécie tangará-príncipe, embora apresentem diferenças em plumagem.

Trabalhos anteriores envolvendo análises filogenéticas moleculares, que analisa as diferenças genéticas das espécies pelo DNA, também ofereceram suporte para reconhecer as características das três aves como espécies distintas. Além disso, a equipe utilizou registros de museus e observações de campo para revisar e expandir os mapas de distribuição das espécies dentro do complexo Chiroxiphia pareola – uma forma de considerar as três espécies.

Foto: Paul Fenwick/Arquivo dos pesquisadores

Segundo a pesquisa, a espécie Chiroxiphia napensis ocorre no Brasil, especificamente na área entre os rios Japurá e alto Amazonas. Ela tem pelagem preta e azul, no dorso, e vermelha, na cabeça. Ela havia sido apenas registrada na Colômbia e no Peru.

“As espécies, que antes eram tratadas como uma coisa só, agora são categorizadas como diferentes. Assim, era necessário que suas distribuições fossem revisadas”, 

explica o pesquisador do Inpa Arhur Gomes, um dos autores do artigo.

Ele comenta que ainda existem algumas lacunas de amostragem para entender a distribuição geográfica precisa dessas espécies.

Os resultados alteram a compreensão atual sobre a biodiversidade da Amazônia e têm implicações diretas para a conservação dessas espécies. “Entender as distribuições de espécies na Amazônia pode nos revelar muitas coisas, como a própria história da formação desse bioma”, comenta Gomes.

Com uma distribuição geográfica mais ampla do que se pensava anteriormente, medidas de proteção podem ser ajustadas para garantir a preservação dessas aves. Além disso, a pesquisa desafia a noção de que grandes áreas da Amazônia são homogêneas em termos de biodiversidade, mostrando que há muito ainda a ser descoberto.

*O conteúdo foi originalmente publicado pela Agência Bori

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade