Manaus 30º • Nublado
Quarta, 29 Junho 2022

Arte para suportar a pandemia

pintura-jornalista-porto-velho

A pandemia serviu, ao menos, para fazer aflorar o talento em algumas pessoas. Caso da jornalista porto-velhense Mara Paraguassu. Agora também artista plástica.

Tarimbada pelo seu faro de repórter e a escrita refinada, Mara explica sua arte carregada de natureza: "São pinturas a lápis aquarelado. Foi a maneira que encontrei de ir superando esta pandemia. Fazendo mais por distração, para "desestressar", mas os amigos dizem que posso vender, que tenho uma harmonia grande para cores. Acabei acreditando", diz com bom humor e modéstia.

As obras de Mara, medindo 25 por 25 centímetros, têm preço acessível: R$ 40 e 70 — sem e com moldura. Contato com a artista: 69 98114-9423.

Tem a quem puxar

Mara Paraguassu é filha da mestra Maria Antônia, uma artista polivalente, que tem livros publicadas, é uma excelente e original artista plástica e ceramista.


Imortal das letras

Morreu o jornalista Ivanir de Oliveira Aguiar; tinha 87 anos. Natural do Rio de Janeiro, morava há mais de quatro décadas em Rondônia, sendo pioneiro na imprensa de Vilhena, sul do Estado. Também deixou livros publicadas. Era membro e ex-presidente da Academia Vilhenense de Letras; ficou imortalizado na memória afetiva dos intelectuais da região.

Ivanir morreu dia 17. Foto: Divulgação

A história de um cemitério 

Nesta semana foi lançada a segunda edição do livro 'Candelária — Luz e sombra na trajetória da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré'. Originalmente, a obra de Aparício Carvalho foi lançada há 22 anos. Agora, reaparece ampliada com novas informações e imagens.

Candelária é o nome do hospital e do cemitério abandonados às margens da antiga estrada de ferro que ligava Porto Velho a Guajará-Mirim, a 366 quilômetros. Durante a construção, entre 1907 e 1912, foram milhares de trabalhadores, de várias partes do mundo, que acabaram morrendo em decorrência de problemas sanitários, doenças tropicais, ataques de animais e conflitos com indígenas.

O escritor Aparício Carvalho — que também é médico — baseia seu livro nos relatos de médicos que atuaram na região há mais de um século e, principalmente, em documentos deixados pelo notável sanitarista Oswaldo Cruz, que esteve no canteiro de obras da EFMM.

Sobre o autor

Às ordens em minhas redes sociais e no e-mail: . Todas às segundas-feiras no ar na Rádio CBN Amazônia às 13h20.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Veja mais notícias sobre JotaÓ escreve.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/