Evo Morales afirma que Chile sente inveja do projeto econômico da Bolívia

Foto: Divulgação/Governo da Bolívia

Desde a semana passada funcionários e organizações sindicais aduaneiras do Chile paralisaram os portos do país pela falta de cumprimento de acordos entre eles e o governo. Além do próprio Chile, um dos países mais afetados pela paralisação é a Bolívia, quem sem acesso ao mar depende dos portos chilenos para exportação dos seus produtos.

 A paralisação, segundo o presidente da Bolívia, é uma afronta a economia do país e está causando grandes perdas para o comércio exterior boliviano.”Temos um projeto econômico bom, a versão final para o povo boliviano aproveitando nossos recursos naturais. Sinto-me irmãos e irmãs há alguma inveja”, disse ele.

Morales, em uma cerimônia na qual inaugurou uma arena multifuncional no trópico de Cochabamba, disse que “inveja” é porque nos últimos anos Bolívia foi colocado entre os países com maior crescimento na região, apesar de não ter costas mar.

“Nossa obrigação de garantir uma maior mobilização econômica para o crescimento econômico, eu sempre digo, se quisermos sem litoral como o crescimento econômico, como ele prejudica a falta de acesso ao mar”, disse ele.

Segundo o direção da Associação Nacional de Funcionários Aduaneiros do Chile (Anfach) o atual acordo do governo não contempla os principais problemas dos funcionários aduaneiros do país.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Aos 7 anos, amazonense conquista título internacional de Miss Baby Universo 2024 no Peru

Giovanna já participou de três concursos e o mais recente, de Miss Baby Universo, foi em julho de 2024 em Arequipa, quando venceu o título maior.

Leia também

Publicidade