Pesquisadores mato-grossenses descobrem composto que combate vermes que impedem crescimento de plantações

O método se destaca pelo baixo impacto ambiental por não afetar outros organismos que estão na água e no solo.

Pesquisadores do Laboratório de Biotecnologia e Ecologia Microbiana (LABEM) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) desenvolvem pesquisa para apoiar a saúde da produção agrícola brasileira. O estudo desenvolvido descobriu um composto capaz de conter vermes que infectam raízes de plantas, impedindo o crescimento e a produtividade. O método se destaca pelo baixo impacto ambiental por não afetar outros organismos que estão na água e no solo.

O professor Marcos Antônio Soares do Instituto de Biociências (IB), coordenador do LABEM, explica que o nematóide da galha, (Meloidogyne spp.), é um parasita microscópico que ataca as raízes das plantas, causando diversos danos e prejuízos à produção agrícola. 

“O nematóide penetra nas raízes das plantas e induz a formação de galhas, que são estruturas nodulares que impedem o fluxo de água e nutrientes resultando em: Enfraquecimento da planta; Redução do crescimento; Amarelecimento das folhas; Murcha e Suscetibilidade a outras doenças”, pontua.

Estudo combate vermes que impedem crescimento de plantações. Foto: Willian Gomes/UFMT

A pesquisa foi conduzida pela discente Suzana Junges Vendruscolo do Programa de Pós Graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade. 

“O nematóide da galha possui uma ampla gama de hospedeiros, afetando mais de 2.000 espécies de plantas, incluindo: culturas agrícolas (soja, algodão, tomate, pimentão, batata, feijão, milho, café, entre outras); hortaliças (melancia, pepino, abóbora, cenoura, beterraba, entre outras); frutíferas (videira, citros, bananeira, entre outras)”, conta o professor Marcos Antônio Soares. 

Sustentabilidade e patente 

No estudo, a pesquisadora descobriu que compostos contendo selênio matavam o verme conhecido como nematoide das galhas, responsável por grandes prejuízos na agricultura brasileira. O verme também afeta plantações em Mato Grosso por infectar as raízes e reduzir seu crescimento e produtividade. 

“A equipe do projeto descobriu que os compostos matam os nematódeos da galha. Especificamente, o composto ‘Se-p-methyl phenylselenobenzoate’ aplicado no solo reduziu consideravelmente o número de galhas nas raízes e ovos do nematódeo no solo. Esse composto não matou outros organismos no ambiente como algas, protozoários e larvas de insetos indicando que ele é ambientalmente seguro”, relata o coordenador do LABEM.

Os resultados das pesquisas podem também render aplicações científicas e econômicas. Está em curso um pedido de patente no Instituto Nacional da Propriedade Industrial e os resultados já estão disponíveis em artigo publicado no Journal of Pest Science. “A UFMT entrou com o pedido de patente, e o Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da instituição está prospectando empresas para a transferência de tecnologia”, pontua o professor Marcos Antônio Soares a respeito de aplicações para a pesquisa. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Riqueza botânica do Parque Estadual da Serra dos Martírios é registrada em livro 

O livro é fruto do trabalho de sete pesquisadores do Ideflor-Bio, da Embrapa Amazônia Oriental e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Leia também

Publicidade