Manaus 30º • Nublado
Quarta, 29 Junho 2022

Antônio José Pereira Sotto Mayor - Presidente da Real e Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas em 1914

WhatsApp-Image-2022-04-25-at-12.19.31

Sem o concurso e o trabalho pertinaz de homens incansáveis em suas ações, não seria possível as conquistas de 1914. A existência de pessoas como Antônio José Pereira Sotto Mayor, que presidiu a Real e Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas nesse período, não teria alcançado êxito.

O declínio da borracha na Amazônia já a partir de 1910, foi um complicador comum para sua administração. Nos primeiros meses, a notícia causou muitas controvérsias e dominava entre nós a crença de que a Hévea da Amazônia não se adaptaria facilmente em qualquer outra região. Além do mais, os próprios técnicos norte-americanos asseguravam que o "produto de plantação jamais chegaria a ser artigo considerável de consumo".

Antônio José Pereira Sotto Mayor. Foto: Abrahim Baze/Acervo pessoal

Enquanto vinham à baila pontos de vista assim desencontrados, Wickham e outros faziam as intensas experiências nos viveiros, contando para isso com amplos recursos financeiros. Assim é que, de quatro toneladas iniciais em 1900, subestimadas inclusive por técnicos americanos, a produção inglesa cresceu de um ano para outro à semelhança de uma avalanche: em 1910, 8.200, em 1920, 304.816, em 1930, 800.808 toneladas. Crescimento que em momento algum sofreu solução de continuidade como determinação inexorável.

Evidentemente assim, aconteceu que a produção brasileira entrou em colapso. Era a famosa queda da borracha com todo seu cortejo de horrores para o comercio local. De 37.938 toneladas, em 1910, fomos diminuindo para 23.216, em 14.260, em 1930, até o cúmulo dos absurdos de 6.500 toneladas.

Foto: Abrahim Baze/Acervo pessoal

Diretoria - sentados, da esquerda para a direita: João Serra, tesoureiro; Dr. José Moraes, diretor clínico; Augusto Seixas, primeiro secretário; Antônio Sotto Mayor, vice-presidente; Antonio Bordallo, segundo secretário; José Lopes de Mattos, procurador; José Corrêa dos Santos, diretor.  De pé, da esquerda para a direita: Paulo Araújo, Jeronymo Costa, Bernardino Lopes Venancio, José Soares, Leitão Melita, Pompeu Aguiar (diretores); e José Martins, cartorário. 

Diante de tamanha desigualdade de produção entre o poderio de além fronteiras e a falta absoluta de planos de defesa da Hévea, não foi possível resistir por muito tempo. Eram grandes as dificuldades do presidente Antônio José Pereira Sotto Mayor. Centenas de organizações comerciais desapareceram na voragem das falências. Deu-se o êxodo dos seringais. Só os heróis permaneceram às margens dos altos rios, lutando sem tréguas pela sobrevivência.

Manaus experimentou dias amargos, com seu principal produto de exportação cotado a preços irrisórios e com os demais produtos como a castanha, a madeira, as oleaginosas, peles e couros explorados pelos abutres da negociata em tais emergências. Deixou de ser aquele capital deslumbrante de que falavam com exaltação os visitantes ilustres. O nosso porto quase sem movimento. Escassas eram as arrecadações da Fazenda Estadual. Em consequência disso o funcionalismo em atraso por vários meses. Teatro Amazonas sem condições de contratar companhias, como fizera desde a inauguração.

Foto: Abrahim Baze/Acervo pessoal

O decênio 1915- 1925, transcorreu assim, em meio às mais aflitas provações. Desapareceram no sorvedouro das falências, ensejando o desespero a capitalistas e o desemprego de assalariados, centenas de casas comerciais, em especial aviadores da borracha, até então, consideradas verdadeiras potências do crédito, interessadas na exportação da borracha que chegou a empalheirar com outras exportações. Desapareceram.

O magistral presidente de 1914, que será sempre lembrado por outras gerações passadas e futuras, deu o seu esmerado trabalho para manter o Hospital Português como o principal condutor de tempo e ação, tendo escrito sua difícil história de significados diferentes para aquela geração. Suas conquistas no campo da medicina naquela época, foi fenomenal, com grandes nomes de profissionais atuando no seu corpo clínico e cirúrgico.

Foto: Abrahim Baze/Acervo pessoal

Foram esses portugueses incansáveis, dentre eles Antônio José Pereira Sotto Mayor, que trabalharam pelo Hospital Português. Foram homens que se prendiam à terra e aqui deram seus ossos. Não foram aventureiros para uma divisão passageira, mas, cidadãos que se entregaram às preocupações de toda sorte para manter vivo o hospital, como autênticos artífices de uma jornada. Porque na verdade não foram apenas os imigrantes de ontem, foram sim dedicados a causa lusitana.

Antônio José Pereira Sotto Mayor presidiu o hospital com espírito de coragem e decisão pelo sentimento da pátria mãe, ele serviu a comunidade com dedicação e esmero excelsas virtudes que ele consagrou aos diretores da sua época. A continuidade saga da colônia portuguesa em Manaus, para construção material e espiritual foi simplesmente notável.

Foto: Abrahim Baze/Acervo pessoal

Desde os primeiros tempos quando vendiam flores, hortaliças e frutas produzidas nos jardins, horta e pomar existentes no próprio terreno do hospital, para prosseguir na construção e manter o seu funcionamento, todos esses e outros tantos gestos heroicos e deslumbrantes desse português. Foi administração de dificuldades, porém, profícua.

A Casa Comercial Sotto Mayor tinha como nome empresarial Sotto Mayor, Ferreira & Cia, era especializada em materiais de construção e funcionava escritório e armazém na Rua Quintino Bocaiúva, n.° 45 e 47, com um completo sortimento de Pinho Branco, Pinho de Riga para assoalho, convés, forro, divisão, pranchões, perna-mancas de todos os tamanhos madeira de cedro, pregos, tubos de grés, tubo de ferro galvanizado, telhas de marselha, soleiras, degraus, lagedo, bordadura de Lisboa, cal virgem, cal nacional, cimento, latrinas, telhas de zinco, ferragens, tinta e vernizes.

Antônio José Sotto Mayor nasceu em Viana do Castelo, Portugal. Imigrou para o Brasil no final do século XIX. No Brasil, contraiu núpcias com a senhora Eudocia Sotto Mayor Fernandes e trouxe ao mundo os seguintes filhos: Jorge Sotto Mayor e Roberto Sotto Mayor (vivos), Walter Sotto Mayor, José Sotto Mayor, Vitor Sotto Mayor, Celeste Sotto Mayor e Deolinda Sotto Mayor (falecidos). Em Portugal, a família foi proprietária do Banco Sotto Mayor, que na ditadura de Antônio de Oliveira Salazar, professor e chefe de diversos ministérios e Presidente do Conselho de Ministros do Governo Ditatorial do Estado Novo, o Banco Sotto Mayor foi estatizado.

Bem haja, a memória do lusitano Antônio José Pereira Sotto Mayor. 

Sobre o autor

Abrahim Baze é jornalista, graduado em História, especialista em ensino à distância pelo Centro Universitário UniSEB Interativo COC em Ribeirão Preto (SP). Cursou Atualização em Introdução à Museologia e Museugrafia pela Escola Brasileira de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas e recebeu o título de Notório Saber em História, conferido pelo Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas (CIESA). É âncora dos programas Literatura em Foco e Documentos da Amazônia, no canal Amazon Sat, e colunista na CBN Amazônia. É membro da Academia Amazonense de Letras e do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), com 40 livros publicados, sendo três na Europa.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Veja mais notícias sobre Histórias da Amazônia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/