Quem disse que o passado morreu?

O passado não existe para nos aprisionar, mas para nos empurrar para frente, enquanto protege tesouros que formos acumulando durante o caminho.

É Clara quem diz com toda a convicção: “o passado para mim morreu. Passado é passado. Para mim, o que importa é o futuro. Não quero saber do passado. Eu me sinto jovem e meu foco é o futuro”. Clara tem um pouco mais de 50 anos. É uma mulher com personalidade forte e bem comunicativa. No geral, tem bom astral, embora eu observe que o seu humor é um pouco oscilante. Ela odeia rotinas e está sempre procurando coisas novas, sendo difícil para ela ir até o fim em um projeto mais longo. Orgulha-se de parecer mais jovem do que a sua idade e investe tempo, energia e dinheiro nisso. Não gosta de cultivar lembranças. Decididamente, ela não tem uma boa relação com o passado.

Respeito a opinião e o jeito de ser de Clara, mas não concordo que o passado esteja morto. Nem quero que ele esteja. No passado, estão pessoas e acontecimentos importantes na minha vida.

Quando olho para a minha própria jornada, é evidente que o que vem pela frente é menor do que o caminho já percorrido, como também deve ser o caso de Clara. O que sou ou o que tenho hoje é mais ou é menos do que na juventude? Durante a caminhada, ficamos mais ricos ou mais pobres?

Concordo quando Viktor Frankl afirma que não há razão para se invejar os jovens. O que eles têm são possibilidades. Quem viveu mais tem realizações. O que vivenciamos, desfrutamos, conquistamos, está lá para ser acessado. Ninguém pode tirar isto de nós. Também as dificuldades e as perdas que ocorreram nos serviram e podemos tirar sempre o melhor proveito deles. Quanto aos erros, eles podem nos ajudar a ser melhor do que somos. Tudo vai para o nosso acervo e receberá o rótulo que dermos às coisas.

Focar no futuro é positivo. Significa olhar para frente, transformar sonhos em objetivos e metas e caminhar nesta direção. É algo que pode contribuir para a construção de felicidade. Tão ou mais importante é reaprendermos a viver o presente. Aqui, as tentações são grandes e vem de todos os lados: da tecnologia, de acontecimentos externos e de emoções internas de diversos tipos. Viver no presente é mais difícil do que parece.

Alguns afirmam que só temos o presente, o que não é verdade. O passado e o futuro são realidades, e não, abstrações. De onde viemos, onde estamos e para onde vamos? O que fomos, o que somos e o que queremos ser? São questões que costumam ser tratadas em um bom processo de coaching. Precisamos destas três dimensões: passado, presente e futuro para constituir um sentido de vida, o melhor remédio para o vazio existencial, para a propensão à tristeza crônica e para boa parte dos quadros depressivos.

No MCI, estimulamos as pessoas a buscarem a sua missão, a desenvolverem um propósito e a construírem um legado consciente, ajudando-as a viver com sentido, valorizando a sua própria história (passado), desfrutando o seu momento (presente) e cultivando sonhos e metas (futuro). Entendemos que esta é uma das principais práticas na construção consciente de felicidade.

Na linha do tempo, o passado crescerá sempre e o futuro será cada vez menor, ao menos, nesta existência. Não há como fugir desta realidade. O passado não existe para nos aprisionar, mas para nos empurrar para frente, enquanto protege tesouros que formos acumulando durante o caminho. Certamente, você, como eu e como a Clara, temos pessoas e momentos que desejamos que continuem a viver dentro de nós. Podemos estar tranquilos quanto a isso. Eles estão vivos e muito bem guardados.

Para terminar, uma pergunta para reflexão: como é a sua relação com o passado, com o presente e com o futuro?

Sobre o autor

Julio Sampaio (PCC,ICF) é idealizador do MCI – Mentoring Coaching Institute, diretor da Resultado Consultoria, Mentoring e Coaching e autor do livro Felicidade, Pessoas e Empresas (Editora Ponto Vital). Texto publicado no Portal Amazônia e no https://mcinstitute.com.br/blog/.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Você sabia que o Acre teve governador deposto durante o período do Golpe Militar?

José Augusto de Araújo, primeiro governador do Acre eleito democraticamente, teve de renunciar para evitar conflitos. Seringueiros foram oprimidos pelas políticas de ocupação da Amazônia.

Leia também

Publicidade