Manaus 30º • Nublado
Terça, 28 Setembro 2021

Desmatamento da Amazônia Legal aumenta 48% no Acre em junho, aponta Imazon

Mesmo tendo o terceiro menor percentual de desmatamento dentro da Amazônia Legal, o Acre apresentou, no mês de junho, um aumento de 48% de área desmatada em comparação com o mesmo período no ano passado.

Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) obtidos via Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD) mostram que no mês passado o estado desmatou uma área de 86 km². Enquanto que no mesmo mês no ano passado, essa área era de 58 km².

Já na comparação entre o período de agosto de 2019 a junho de 2020 e agosto de 2020 a junho de 2021, o aumento de área desmatada foi ainda maior, de 83%. Saindo de 336 quilômetros quadrados desmatados, para 614, no período de 11 meses.

A Amazônia Legal teve 926 km² de seu território desmatado em junho deste ano, o que representa um aumento de 10% em relação ao mesmo período no ano passado, quando o desmatamento somou 842 quilômetros quadrados. O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) monitora via satélite as áreas desmatadas na região.

No ranking dos estados com maior área desmatada, o Pará lidera a lista com a maior parte do percentual (36%), seguido pelo Amazonas (25%), Mato Grosso (14%), Rondônia (11%), Acre (9%), Maranhão (3%) e Roraima (2%).

Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Focos de queimadas

Dados do relatório da sala de situação de monitoramento hidrometeorológico do Acre, divulgados nesta terça-feira (20), apontam que o estado acreano registrou, entre o dia 1º de janeiro a 19 de julho deste ano, 240 focos de queimadas nos 22 municípios.

O acompanhamento é feito por meio de dados do Satélite de Referência e divulgados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Acre (Sema).

Os municípios de Brasileia, Tarauacá, Cruzeiro do Sul e Sena Madureira foram os que apresentaram o maior número de focos acumulados no período, com 30, 25, 24 e 22 casos registrados, respectivamente.

No acumulado mensal de focos de queimadas no estado do Acre, entre os dias 1 e 19 de julho, foram registrados 145 focos de queimadas.

Qualidade de ar

No período de estiagem, a concentração de partículas poluentes no ar atinge números altos. Dados dos sensores de monitoração mostram que atualmente a qualidade do ar está o dobro acima do ideal para a respiração no Acre.

Conforme o relatório, a concentração de material particulado chegou à máxima concentração de 50 µg/m³, nessa segunda (19), em Rio Branco. Em Tarauacá a máxima foi de 107 µg/m³.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que a quantidade de material particulado por metro cúbico aceitável é de 25 microgramas. Acima disso, a qualidade é ruim para a saúde das pessoas. 

Veja mais notícias sobre Meio AmbienteAcre.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 28 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/