Manaus 30º • Nublado
Sábado, 21 Mai 2022

Balonismo na Amazônia: 4 dicas para passear de balão no Acre

248438965_4400164396742890_2824215983202312624__20220513-233158_1

Parece coisa de novela: sobrevoar a floresta e observar lindas paisagens. Seja no nascer ou no pôr-do-sol, o voo de balão proporciona a contemplação da natureza de um ângulo privilegiado.

No Brasil, os passeios em balões de ar quente ocorrem há décadas e além de serem uma prática de turismo, o voo é considerado uma modalidade esportiva regulamentada.

Contudo, geralmente as empresas que proporcionam viagens de balões estão localizadas nas regiões sul e sudeste do país. E, por isso, muitos não sabem, mas é possível voar em um balão pela Amazônia. 

O Portal Amazônia buscou informações onde a prática já é uma realidade: o Acre. 

Foto: Altier Moulin/Blog Pé na estrada

Como surgiu 

O balão de ar quente é o veículo aéreo mais velho da história da humanidade. Em 1783, os irmãos franceses Etiene e Joseph Montgofier realizaram o primeiro teste com um balão. Inicialmente foram voos não tripulados e depois foram realizados testes com animais.

Com o sucesso dos voos e com quase toda a população de Paris observando o feito, em seguida, os próprios cidadãos passaram a voar nos balões.

Já no Brasil, o primeiro voo em um balão aconteceu em 1885. Mais de cem anos depois, em 1987 foi fundada a Associação Brasileira de Balonismo (ABB). 

Balonismo no Acre

Na Zona Rural de Rio Branco, região da BR-364, a Eme Amazônia realiza voos tripulados em balões que suportam de dois a oito passageiros e o piloto licenciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Ainda na capital acreana, há uma aula inicial sobre conceitos teóricos e práticos da atividade. 

Foto: Altier Moulin/Blog Pé na estrada

Depois das instruções, o voo dura de 40 a 60 minutos, dependendo da direção e velocidade dos ventos, sempre analisando uma área para pouso seguro. A programação começa às 4 da manhã com retorno às 8 ou 9 horas, dependendo do clima.

Os voos podem chegar a 300 metros com total controle vertical do piloto, que ao subir ou descer encontra camadas de ventos em várias direções.

O empresário Cassiano Marques da Silva, conta que a Eme Amazônia existe desde 1994 como uma empresa de marketing e eventos na Amazônia e, desde 2011, passou a investir nos voos de balão. 

"A atividade de balonismo surge a partir da ideia de promover o turismo na região, de propiciar também a formação de novos pilotos e com isso eu iniciei minha formação, de forma intensiva, no ano de 2012, concluindo em São Paulo, no município de Araçoiaba da Serra e em Rio Branco, recebendo minha habilitação da ANAC em julho de 2012. Desde então, são mais de 500 voos realizados e mais de 100 promocionais",

relatou Cassiano ao Portal Amazônia.

Além do Acre, já foram realizados voos nos Estados de Roraima, Rondônia, Amazonas e Mato Grosso. Na Amazônia Internacional, já ocorreram voos na Bolívia , Peru, Equador, Colômbia e Venezuela.

Dicas para quem for fazer o passeio

Com a ajuda do empresário, o Portal Amazônia separou algumas dicas para quem deseja voar de balão: 

1. Use calçados confortáveis

O local de decolagem geralmente possui grama e algumas partes com lama, então é interessante utilizar sapatos fechados e confortáveis. 

2. Leve uma manta ou cobertor

Em geral, após levantar voo, é provável que surjam ondas de vento frio, por isso, uma das recomendações é levar um bom agasalho.

3. Utilize óculos escuros

Apesar da aventura começar ainda de madrugada, no momento que amanhecer, a intensidade do sol pode atrapalhar a visão, então, se possível, é recomendado levar óculos com proteção UV.

4. Não tome um café da manhã pesado

Por não saber de que forma seu corpo irá reagir ao movimento do balão, não é recomendado ir bastante alimentado, pois enjoos e vômitos podem ser comuns.

Veja mais notícias sobre Acre.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 21 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/