Lutador de taekwondo do Amapá estreia com vitória na Olimpíada Rio 2016

O amapaense Venilton Teixeira, do taekwondo, teve a estreia dos sonhos nos Jogos Olímpicos do Rio. Ele venceu o israelense Ron Arias na primeira luta por 16 a 2 e avançou para as quartas de final da categoria até 58 quilos.


Venilton Teixeira (em pé) é o segundo atleta de Macapá na história dos Jogos Olímpicos. Foto: Felipe Barra/COB

Em exibição contundente, Venilton sequer precisou do terceiro round para sacramentar a vitória. Ele abriu uma vantagem superior a 12 pontos no fim do segundo assalto, o que permitiu a vitória antecipada.

Nas quartas, Venilton enfrenta Carlos Navarro, do México. O combate está marcado para 14h15 (horário de Manaus), desta quarta-feira (17). Navarro foi o algoz de Venilton na semifinal dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015, onde o mexicano venceu por 11 a 9.

O amapaense não está entre os cotados para o ouro, mas pode surpreender. A concorrência é dura. Navarro, por exemplo, é o quinto colocado no ranking mundial. Em uma eventual semifinal, Venilton poderia cruzar o caminho do atual melhor do mundo na categoria, o iraniano Farzan Ashourzadeh Fallah.

Venilton é apenas o segundo amapaense em toda a história a participar de uma Olimpíada. O primeiro foi o nadador Jader Souza, em Atenas-2004, onde teve o 12º lugar nos 4x100m livre como melhor desempenho.

Venilton faz parte de um seleto grupo de quatro lutadores que representa o Brasil no taekwondo masculino. Nascido em uma família com 17 irmãos, Venilton descobriu o esporte por meio de um projeto social em Macapá. Antes disso, chegou a trabalhar como vendedor de crochê, açaí e cascalho.

Mesmo jovem, o aluno da Academia Bruno Igreja conquistou no ano passado um histórico terceiro lugar no Campeonato Mundial de Taekwondo, em Cheliabinsk, na Rússia. No currículo, ele também conta com um quarto lugar nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e os títulos do US Open de Taekwondo e do Turquia Open.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

TCE emite alerta aos 62 municípios amazonenses para combate às queimadas e estiagem

O alerta se baseia na maior seca já registrada na história do Amazonas em 2023, que levou ao desabastecimento e o isolamento de comunidades ribeirinhas.

Leia também

Publicidade