Riqueza botânica do Parque Estadual da Serra dos Martírios é registrada em livro 

O livro é fruto do trabalho de sete pesquisadores do Ideflor-Bio, da Embrapa Amazônia Oriental e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O auditório do Parque Estadual do Utinga ‘Camillo Vianna’ em Belém (PA) foi palco, no dia 22 de maio, do lançamento do livro ‘Árvores, Arbustos, Cipós e Palmeiras do Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas’.

A obra é fruto do trabalho de sete pesquisadores do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), da Embrapa Amazônia Oriental e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 

“Com a contribuição de renomados pesquisadores, a obra promete ser uma fonte valiosa de informações para estudiosos, ambientalistas e apaixonados pela natureza, reafirmando a importância da conservação dos ecossistemas naturais para as futuras gerações”, enfatizou o presidente do Ideflor-Bio, Nilson Pinto, o qual afirmou que a obra literária representa um marco na divulgação e no conhecimento da biodiversidade da região paraense.

Foto: Divulgação/Agência Pará

O livro se debruça sobre a vasta biodiversidade do Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas, uma Unidade de Conservação (UC) de Proteção Integral localizada no município de São Geraldo do Araguaia, na região sudeste paraense. Criado em 1996, o local abrange uma área de 24.897 hectares. O local tem despertado o interesse de pesquisadores de diversas instituições devido à sua rica biodiversidade e importância histórica. 

A região, que já foi ocupada por populações ameríndias, guarda vestígios arqueológicos e paisagens que encantam. Desde a década de 1980, equipes de instituições como Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) e da Universidade Federal do Pará (UFPA), têm se dedicado a estudar a flora e fauna do Parque e da Área de Proteção Ambiental (APA) Araguaia, revelando a complexidade e a importância desses ecossistemas para a ciência e a preservação ambiental. 

Foto: Vinícius Leal/Ascom Ideflor-Bio

Com um clima caracterizado por precipitação média anual de 1.500 milímetros e temperaturas amenas, a região do Parque apresenta uma vegetação diversificada, que se encontra em uma zona de transição entre os biomas Cerrado e Amazônia. A topografia variada, que vai de planícies de inundação a serras, influencia diretamente na distribuição das espécies arbóreas, resultando em paisagens únicas e habitats diversos. 

Além da riqueza botânica, o livro também aborda as atividades econômicas da região, como a pecuária extensiva, a agricultura e o extrativismo de produtos florestais não madeireiros. Essas práticas, por vezes, impactam negativamente a vegetação local, tornando ainda mais importante o estudo e a preservação das espécies presentes no Parque Estadual da Serra dos Martírios-Andorinhas. 

Referência – Para o pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Sebastião Júnior, há uma diversidade muito grande de trabalhos que vêm sendo desenvolvidos e não podem ficar de fora, como por exemplo, relacionados à biodiversidade.

“Atualmente, há uma vertente que trabalha muito isso, com bioculturalidade, que é a simbologia das plantas. Além disso, é importante frisar que o movimento que possibilitou o lançamento desse livro, também faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), especificamente o de número 17, que trata sobre parcerias e meios de implementação, até porque na Amazônia, sem parceria, você não consegue fazer pesquisa científica”, destacou. 

Durante o lançamento do livro, os autores destacaram a importância da conservação dessas áreas e o papel fundamental da pesquisa científica na preservação da biodiversidade. O diretor de Gestão da Biodiversidade, Crisomar Lobato, que também contribuiu para a efetividade do exemplar, disse que a obra literária é uma contribuição significativa para o conhecimento sobre a flora do sudeste paraense e uma ferramenta essencial para gestores e conservacionistas.

A gerente da Região Administrativa do Araguaia, Laís Mercedes, ressaltou a coincidência da data de lançamento do livro, com o dia em que se celebra a biodiversidade.

Foto: Vinícius Leal – Ascom-Ideflor-Bio.

“Para nós é uma felicidade receber essa obra literária que aborda a rica flora do Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas. Ele irá nos nortear e identificar as espécies já existentes da nossa rica biodiversidade, o que por si só é algo de grande importância”, frisou. 

*Com informações do Ideflor-Bio

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Entenda qual a função de um consulado e quais estão presentes nas capitais da Região Norte  

Os serviços prestados por um consulado são essenciais na diplomacia internacional, pois fornecem assistência e proteção aos cidadãos de um país em território estrangeiro.

Leia também

Publicidade