Mostra de artesanato movimenta economia parintinense nas vésperas do 57° Festival Folclórico

A 19ª Mostra de Artesanato e Economia Solidária, expõe acessórios indígenas, como cocares, brincos, colares, camisas, cestarias e cerâmicas.

Pela primeira vez, apenas artesãos de Parintins e municípios próximos expõem uma diversidade de produtos para quem chega na Ilha Tupinambarana para o Festival Folclórico de Parintins. A 19ª Mostra de Artesanato e Economia Solidária, expõe acessórios indígenas, como cocares, brincos, colares, camisas, cestarias e cerâmicas.

O espaço que reúne os empreendedores locais funciona das 9h às 21h e está instalado na Praça da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, localizada no centro da cidade amazonense, começou no último dia 26 e vai até o próximo dia 30, no último dia do Festival.

📲 Confira o canal do Portal Amazônia no WhatsApp

Foto: Isabelle Lima/Portal Amazônia

Ao Portal Amazônia, o empreendedor Ricardo Nery conta como percebeu que a produção da Farinha de Uarini precisava gerar mais impacto social.

“Esse produto aqui, eu comecei a ir fazendo ele no saquinho que a gente vende na feira. E aí comecei a perceber que eu precisava gerar mais impacto. Como a gente começou a pensar nisso, a gente se conectou com a associação lá de Tefé. Em 2019, a farinha Uarini ganhou indicação geográfica”, explicou Ricardo.

Leia também: Portal Amazônia Responde: que produtos da região amazônica possuem Indicação Geográfica?

O empreendedor Ricardo Nery participa da 19ª Mostra de Artesanato e Economia Solidária. Foto: Isabelle Lima/Portal Amazônia

A proteção concedida por uma Indicação Geográfica (IG), além de preservar as tradições locais, pode diferenciar produtos e serviços, melhorar o acesso ao mercado e promover o desenvolvimento regional.

“Ela só pode ser produzida em quatro municípios. Tefé, Alvarães, Maraã e o Uarini. Por isso o nome. E aí, eu comecei a me envolver mais em relação a isso e a gente começou a vender o produto só da associação. Eles hoje garantem que a produção da farinha seja feita de forma higiênica, porque é tudo feito em casa de farinha higienizada, que geralmente farinha não é feita de uma forma muito higiênica assim. A gente comercializa no comércio local e envia para todo o Brasil”, finalizou o empreendedor.

Mostra de artesanato também é geração de emprego

Foto: Isabelle Lima/Portal Amazônia

A Mostra de Artesanato chega a reunir uma média de público de aproximadamente 20 mil pessoas que buscam por produtos regionais, assegurando emprego e renda para os artesãos e empreendedores do município.

São mais de 70 artesãos e empreendedores que expõem e vendem seus produtos durante o evento este ano.

“Um evento como este é o melhor campo de negócios para esses profissionais que têm a possibilidade de mostrar o seu trabalho, abrindo caminho para que novas pessoas conheçam nossa arte e colaborando para que nossa cultura seja valorizada”, disse em coletiva o secretário executivo do Trabalho e Empreendedorismo, Paulo Gilson, pontuando a importância da feira para a divulgação da cultura local.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Unemat empossa primeira indígena como coordenadora de curso intercultural

A professora Eliane Boroponepá Monzilar, do povo Balatiponé Umutina, foi cedida pela Seduc para coordenar o curso de Licenciatura Intercultural Indígena.

Leia também

Publicidade