Manaus 30º • Nublado
Sábado, 23 Outubro 2021

Em São Paulo, exposição traz fotos de Serra Pelada feitas por Sebastião Salgado

Em São Paulo, exposição traz fotos de Serra Pelada feitas por Sebastião Salgado

O Sesc Avenida Paulista, na região central da capital, recebe a partir de quarta-feira (17) a exposição Gold – Mina de Ouro Serra Pelada. São 56 fotografias, parte inédita, feitas por Sebastião Salgado na década de 1980 no garimpo de Serra Pelada, no sul do Pará. A região sofreu uma intensa corrida pelo ouro à época, quando recebeu dezenas de milhares de homens que transformaram uma serra de morros em uma enorme cratera.


A dimensão do garimpo pode ser vista nas imagens de Salgado, com as intermináveis filas de homens escalando as paredes do buraco, quase como formigas. Quando se aproxima dos garimpeiros, o fotografo registra em preto e branco - uma de suas marcas – as pessoas cobertas de lama e suor arrastando os sacos de minério.



Foto: Divulgação


Sonho do ouro



“Por uma década, ela evocou o El Dorado há muito prometido, mas, atualmente, essa corrida do ouro mais selvagem que o Brasil já teve se tornou apenas uma lenda, que permanece viva por meio de algumas lembranças felizes, muitos arrependimentos dolorosos”, comenta Salgado sobre Serra Pelada.


Durante o período que esteve no garimpo, o fotógrafo conheceu histórias de gente que conseguiu enriquecer e outras que apenas puderam sonhar em mudar de vida. “O ouro é um amante imprevisível”, diz Salgado sobre a relação que o metal mais cobiçado do mundo estabelece com as pessoas.


“Enquanto alguns garimpeiros afortunados partiram de Serra Pelada com dinheiro, compraram fazendas e empresas e nunca se sentiram traídos, outros, que encontraram ouro e pensaram que havia mais fortunas esperando por eles, acabaram, por fim, perdendo tudo o que tinham obtido”, explicou.


Trajetória



O trabalho de Serra Pelada se insere na trajetória de Sebastião Salgado no interesse por grandes dramas humanos. Esteve também em guerras, registrou deslocamentos de refugiados e a luta do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Sempre fotografando em preto e branco, seguindo a escola dos precursores do que veio a se tornar o fotojornalismo, como Cartier-Bresson e Robert Capa. O brasileiro, no entanto, se diferencia pelo estilo mais pictórico, valorizando um pouco menos o flagrante instantâneo, e mais a beleza plástica das composições e da luz.

Veja mais notícias sobre Arte.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 23 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/