Jogos digitais criados no AM movimentam economia local e podem chegar ao exterior

O mercado de jogos eletrônicos cresce a cada ano. Segundo dados da Pesquisa Game Brasil (PGB), cerca de 66,3% dos brasileiros jogam algum tipo de game, seja pelo celular, PC ou console. Por esse motivo, fica evidente o interesse de empresários em investir no setor. No Amazonas, a realidade não é diferente, pois o mercado de games está cada vez mais presente e ganhando novas empresas.

Até 2022, o segmento deve crescer 5,3%, de acordo com dados da 19ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia. Por esse motivo, instituições como o Samsung Ocean e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) já oferecem cursos de criação de games para o público amazonense, afim de atrair novos profissionais. O Portal Amazônia conversou com especialistas na área que comentaram sobre o crescimento do mercado de jogos digitais no Estado.

O crescimento do mercado de jogos é recente. Em março de 2014, a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) abriu inscrição para a primeira turma do curso de Especialização em Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos. Ao dar início ao curso, a instituição passou a ser a primeira universidade da região Norte a oferecer tal especialização. Na época, o sucesso foi tanto, que a busca dos estudantes gerou uma lista de espera.

Foto: Divulgação

 

Junto aos cursos e ao Samsung Ocean, a UEA também abriu o Laboratório de Tecnologia, Inovação e Economia Criativa (LUDUS). Dentro da pipeline de empreendedorismo da instituição , o laboratório funciona como um local de “pré-incubação”: um local onde se pode construir e amadurecer tecnicamente/mercadologicamente o produto da startup antes de ir oficialmente para uma incubadora.

Quem acompanhou tudo de perto foi o professor e coordenador do curso, Jucimar Júnior. Ele explicou ao Portal Amazônia que, na época, a UEA criou a graduação em jogos, o curso de especialização, além do desenvolvimento do Samsung Ocean, parceria entre a universidade e a Samsung. “Nossa ideia era criar um mercado, a gente sabia da criatividade dos manauaras, mas faltava o conhecimento técnico. Ao longo desses anos, a gente vem formando esses profissionais, e eles acabam criando suas próprias empresas e startups”, falou.

Ainda segundo Júnior, a qualidade do trabalho dos profissionais do Amazonas é alta, e alguns chegam a se qualificar no exterior. “Muitos talentos acabam mirando no mercado internacional para ganhar experiência e retornam ao Estado com novas ideias. Já tivemos vários profissionais que se formaram nos Estados Unidos, Canadá e Japão, e criaram suas empresas locais”, destacou. 

Foto: Reprodução/Facebook


Profissionais da terra

A paixão por games fez o desenvolvedor e professor, Sylker Teles, se arriscar no mercado de jogos. Em 2016, ele abriu a Flying Saci Game Studio, que este ano faturou R$ 1 milhão. Para o profissional, o número de empresas que apostam no setor começou a crescer em 2015.

Até o momento, a Flying Saci Game Studio desenvolveu quatros jogos, todos com um pegada educacional. “Nosso desafio para 2020 é expandir para outros Estados, além de participar de eventos internacionais. E aposto muito no crescimento do setor aqui no Amazonas”, afirmou Teles.

Confira o trailer de Matemagos da Flying Saci Games:
De acordo com o CEO da empresa de games amazonense Petit Fabrik, Olimpio Neto, o número de profissionais e empresas no Estado aumentou. “Ainda somos poucos, mas temos grande potencial. O Amazonas possui pessoas talentosas, só que ainda é necessário muitas iniciativas públicas e privadas de maneira que a indústria possa realmente se estabelecer˜, contou.

Criado em 2007, a Petit Fabrik trabalha com títulos para PC e mobile, e chega até mesmo, enviar projetos para clientes no exterior. “Para 2020, de modo geral, a indústria de games no Amazonas deve crescer, temos a oportunidade de participar deste momento”, desejou Neto.

Foto: Reprodução/Facebook


Novas oportunidades

No último mês, a capital do Amazonas ganhou mais um estúdio de games, o Amazon Forest Game Studio, localizado na Fundação Paulo Feitosa (FPF Tech). O espaço é focado no desenvolvimento do ecossistema de games e na formação de profissionais. ‘Kukoo Monkeys – The Lost Pets’ é o nome do primeiro jogo que está sendo projeto no espaço e chegará ao mercado em 2020 para o consoles X-Box, da Microsoft.

Além de presidir a Petit Fabrik, Neto, também é representante da Amazon Forest Game, que realiza nesta quinta-feira (19) a primeira edição do Amazon Game Zone. Durante o evento ocorrerão diversas atividades, tais, como: palestras, debates e workshops, entre outros.Neto acredita que o evento dará visibilidade ao que está sendo feito na região no campo de desenvolvimento de jogos digitais no Amazonas. “Além de mostrar os games em desenvolvimento, o evento também tem um papel importante em orientar os participantes e interessados na área para o que pode ser melhorado na indústria de desenvolvimento de games”, comentou.

Confira o trailer de Mini Champions da Petit Fabrik:


Amazon Game Zone

Na quinta-feira (19) os apaixonados por games recebem o Amazon Game Zone 2019, a partir das 14h, na Fundação Paulo Feitoza. O evento é um encontro para empreendedores e entusiastas do universo game de Manaus, como desenvolvedores, designers, estudantes e profissionais na criação de jogos digitais. A inscrição é gratuita.

Os participantes inscritos apresentarão os seus projetos e serão submetidos ao voto do público presente no evento para escolher o melhor projeto de game do 1º Amazon Game Zone, e ao final do evento, o competidor do projeto de game mais votado será anunciado como vencedor da mostra, recebendo como prêmio um notebook de alta performance AVELL G1750 MUV RTX.

Confira a programação do Amazon Game Zone:


14h – Abertura do evento

14h10 – 15h10 –
Painel “Oportunidades e desafios do ecossistema de desenvolvimento de games no Amazonas”

 Amazon Forest Game Studio / PetitFabrik – Olímpio Neto (Mediador)\
SEBRAE Amazonas (Atua no Laboratório de Inovação Sebraelab) – Denys Cruz
Black River – Diego Andrade
Black River – Bianca Antunes
UEA/LUDUS/CE JOGOS SBC – Prof. Dr. Jucimar Maia
Flying Saci Game Studio / Samsung Ocean – Sylker Teles
Flameseed Productions – Felipe Lobo



15h15 –
Exposição & Votação

16h – Palestras

1. “Storytelling para games” – Estevão Queiroga

Princípios universais das histórias
Criação de personagens
Encontrando uma razão para sua história existir

2. “Game Design” – Humberto Rodrigues
O grande desafio – insights em game design
Desafio e recompensa
O gdd
O carro vs a roda
Projetando com sobras
Sintonizando o time

3. “Empreendedorismo digital e o mercado de games” –
Como empreender no mercado de games
Oportunidades de captação e aporte de recursos


18h – Premiação e Coquetel de Encerramento

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

A realidade da Reserva Legal na Amazônia e o Projeto de Lei 3334/2023

As Reservas Legais, juntamente com as APPs, desempenham um papel essencial nesse contexto, protegendo a vegetação nativa e garantindo acesso aos benefícios proporcionados pelos ecossistemas.

Leia também

Publicidade