Novo ponto cultural de Manaus, Casa da Sereia abre as portas no bairro Petrópolis

Saindo dos centros urbanos de Manaus, um novo ponto de cultura surge na cidade. A casa cultural ´Casa da Sereia´ foi inaugurada esse mês no bairro Petrópolis, zona sul de Manaus, e traz uma série de iniciativas culturais atreladas a costumes, artes plásticas e música. A união de três artistas foi o que levantou a casa.

Laís Rebecca é artista e responsável por cuidar das comidas vendidas na casa, o Marcos Vinícius também artista cuida do café regional que é oferecido todas as manhãs no local, já a Deborah Erê tem um estúdio de tattoo e graffiti onde realiza os desenhos. A ideia da casa é ser um lugar colaborativo, artístico, cultural e independente dentro da periferia, com intenção de mobilizar a comunidade, além da classe artística. 

Foto: Arquivo pessoal 

 

A Casa da Sereia trabalha com um formato de colaboração, espaço onde diversas artes acontecem simultaneamente e com coordenação de atores sociais diferentes.  Segundo Deborah, a casa está em construção constante:  ” É uma experiência nova, estamos criando isso juntos, mas com muito esforço de cada um, numa perspectiva bem independente, cada um com seu sonho”, declara a artista.

Segundo pesquisa feita pela JLeivaCultura & Esportes, em parceria com o Ministério da Cultura e o Instituto DataFolha, divulgada em abril deste ano, somente 14% da população Manauara frequenta saraus e 23% vão ao teatro. O índice traz uma perspectiva do consumo de arte na cidade.

A cantora e produtora cultural Elisa Maia, que participou da inauguração do local, fala sobre a importância de incentivar a cultura em Manaus, “Eu acho super importante a gente valorizar iniciativas de pessoas que querem consumir arte, trocar ideia. Fomentar um espaço é resistência nas artes. Ainda mais um espaço regido por mulheres, que tem um nome feminino. Precisamos de colaboração para haver mais espaços como esse, pra existir e se manter, é uma estratégia de sustentabilidade, a iniciativa é louvável”, afirma a cantora.O nome foi inspirado na personagem Senhora Sereia, retratada pela Deborah e que pode ser encontrada em diversos muros da cidade, “Eu já trabalho com identidade visual e essa identidade da sereia visualmente é muito forte e a gente achou que era um nome pra galera deixar fixo na mente”, revela Deborah.

A casa da Sereia funciona de segunda à sábado, das 6h às 20h da noite, na rua Almir Pedreiras, 50 – Petrópolis.

Foto: Reprodução 

saiba mais

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Professor amapaense vence prêmio nacional de fotografia

Foto da estrutura interna e a composição de uma colônia de formigas venceu a 13ª edição do Prêmio Fotografia – Ciência e Arte, do CNPq.

Leia também

Publicidade