Manaus 30º • Nublado
Sábado, 25 Setembro 2021

Pesquisadores identificam no açaí espécies de bactérias com potencial de reduzir transtornos gastrointestinais e colesterol

Considerado um super alimento por seu conhecido valor nutricional e capacidade antioxidante, além de combater o surgimento de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, o açaí também pode apresentar benefícios como a redução de transtornos gastrointestinais e do colesterol. É o que aponta um estudo feito por pesquisadores do Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia (CVACBA), laboratório ligado à Universidade Federal do Pará (UFPA) e instalado no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, em Belém.

Os pesquisadores isolaram e identificaram, pela primeira vez, espécies de bactérias lácticas endofíticas (que habitam o interior de uma planta) do açaí, com alto potencial probiótico e que podem garantir a segurança alimentar no consumo do açaí azedo. A pesquisa avaliou a atividade antagônica in vitro de três cepas de bactérias lácticas (Pediococcus pentosaceus B125, Lactiplantibacillus plantarum B135 e Lactiplantibacillus plantarum Z183) contra dois patógenos - organismos capazes de causar doenças - a Salmonella typhimurium e a Escherichia coli.

"A atividade antagonista em nosso estudo avaliou a capacidade das bactérias lácticas de inibir o crescimento das bactérias patogênicas no suco de açaí mantidos em temperatura ambiente por um período de até 72h, que é o tempo máximo que o açaí ainda é consumido. Os resultados mostraram que as três bactérias lácticas foram capazes de inibir os dois patógenos. Sendo que para Salmonella, foram ainda mais eficazes", aponta Suenne Sato, primeira autora do artigo.

Além da atividade antimicrobiana, as cepas também apresentaram a capacidade de resistir a situações de estresse que simulam a passagem pelo trato gastrointestinal. "O trajeto da boca até o cólon, local onde as bactérias probióticas devem colonizar e exercer atividades, apresenta inúmeras condições hostis pelas quais as bactérias precisam resistir e assim chegarem vivas no cólon em quantidade suficiente. A condição ácida do estômago é a primeira situação de grande estresse para os microrganismos, portanto realizamos alguns testes in vitro para verificar a viabilidade das cepas nessa condição e em condição subsequente, como a resistência aos sais biliares", informa Suenne.

"É importante que esses microrganismos sejam seguros para uso e que também exerçam uma ou mais atividades benéficas. Para as bactérias isoladas no nosso estudo, fizemos o teste de desconjugação de sais biliares para identificar se elas apresentavam alguma atividade relacionada. Os resultados apontaram positivo para todas testadas. Isso significa uma possibilidade de contribuírem para a redução de colesterol sanguíneo", complementa a pesquisadora. 

Veja mais notícias sobre AmazôniaSaúdeInovaçãoPará.

Veja também:

 

Comentários: 1

Ana Lúcia Fontenelle em Quarta, 19 Mai 2021 08:01

Gostei muito da pesquisa sobre o açaí. É bom saber que pesquisadores da nossa região estão fazendo estudos sobre esse alimento tão especial, popular e delicioso, e que mesmo "azedo" não perde suas propriedades, ao contrário ainda nós oferece mais.
Gostaria de conhecer mais estudos que estão ou foram realizados sobre o nosso açaí, pra indicá-lo mais em minha prática profissional como nutricionista.

Gostei muito da pesquisa sobre o açaí. É bom saber que pesquisadores da nossa região estão fazendo estudos sobre esse alimento tão especial, popular e delicioso, e que mesmo "azedo" não perde suas propriedades, ao contrário ainda nós oferece mais. Gostaria de conhecer mais estudos que estão ou foram realizados sobre o nosso açaí, pra indicá-lo mais em minha prática profissional como nutricionista.
Visitante
Sábado, 25 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/