Descubra como é feita a farinha d’água, típica da Amazônia

Considerada uma das melhores farinhas do Brasil, a farinha d’água é de origem paraense. Veja o passo a passo da produção artesanal.

A farinha paraense, conhecida como ‘Farinha D’água’ é famosa não só no Pará, mas em toda Região Norte e até em outros Estados do Brasil.  Por sua crocância, a farinha de Bragança (cidade paraense) é bastante usada em farofas e outras receitas nortistas. Mas para resultar nessa farinha classificada por muitos como “deliciosa”, ela passa por um longo processo. 

O Portal Amazônia conversou com Carmem Alves, uma das mulheres responsáveis pelo trabalho de produção da farinha d’água em Bragança, que explicou os detalhes desse processo. 

Confira o passo a passo: 

Primeiro passo: 

A mandioca é colocada no rio e fica mergulhada na água durante quatro dias para que a casca possa amolecer. Depois, é retirada para ser descascada e a massa volta para água, por mais um dia. Logo, fica pronta para ser amassada com as mãos. 

Foto: Gildo Júnior/Cedida

Segundo passo: 

Em seguida, a massa é levada para ser feito o processo de amassamento com as mãos, onde é amassada para melhor ser enxugada. 

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

Terceiro passo: 

Depois é realizado o processo de secagem, onde a massa é colocada dentro do tipiti, que é uma espécie de prensa ou espremedor de palha trançada, usado para escorrer e secar a massa de mandioca. 

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

Quarto passo:

O resultado é uma massa seca que já pode ser chamada de farinha, mas que em seguida será peneirada. 

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

Quinto e último passo:

Depois de peneirada, a farinha é levada ao fogo para ser torrada, por aproximadamente 1 hora e 20 minutos. 

Foto: Reprodução / Gildo Júnior

E aí? Já conhecia o processo de produção da farinha d’água? 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Plano Nacional de Mineração 2030: geologia, mineração, transformação mineral

O Brasil, salienta o Plano, é um importante produtor mundial de minérios; contudo, seu consumo per capita encontra-se entre 15% e 30% dos países que já lograram atingir níveis mais elevados de desenvolvimento.

Leia também

Publicidade