Manaus 30º • Nublado
Quinta, 22 Fevereiro 2024

Amazônia: uma das maiores reservas de nióbio do planeta

A Amazônia, vasto território reconhecido por sua riqueza biológica e importância na regulação climática global, apresenta também um recurso estratégico para a indústria: o nióbio. Esse metal refratário, relevante em diversas aplicações industriais, tem suas maiores reservas no Brasil, notadamente na região amazônica. Contudo, a exploração desse recurso deve ser conduzida de maneira consciente e sustentável, considerando não apenas os benefícios econômicos, mas também os impactos ambientais e sociais associados à atividade.

O nióbio é tipo um astro da natureza, sempre acompanhado de outros elementos, principalmente o tântalo, que são quase parecidos com propriedades químicas e físicas.
O nióbio (Nb) Fonte: Conhecimento Científico¹

¹BRAGA, Rafael. Nióbio, o que é? Descoberta, propriedades e aplicações. Conhecimento Científico. Disponível AQUI

Ele é o número 41 na tabela periódica, da galeria dos metais de transição. Charles Hatchett, um químico britânico, deu a letra desse metal em 1801. São suficientes 100 gramas dele para transformar uma tonelada de aço em algo mais resistente, maleável e condutor. Cada quilo de nióbio custa de 30 a 40 dólares, o que é tipo 400 vezes o preço do minério de ferro, que é o queridinho das minas no Brasil.

No presente artigo procuramos conhecer sobre nióbio, suas aplicações industriais e compreender os desafios e oportunidades da exploração sustentável do nióbio na Amazônia. 

Nióbio no Brasil 

Diversos países, tais como Canadá, Austrália, Egito, República Democrática do Congo, Groenlândia, Rússia, Finlândia, Gabão e Tanzânia, apresentam também depósitos minerais contendo nióbio. O Brasil é tipo o rei do nióbio, mais de 90% das reservas desse metal estão aqui, o que nos torna o principal fornecedor global desse elemento. As reservas exploradas estão distribuídas nos estados de Minas Gerais, Amazonas, Goiás e Rondônia. Na região amazônica, o nióbio é encontrado em grande escala, especialmente em reservas indígenas.

O município de São Gabriel da Cachoeira, localizado no Amazonas, abriga uma das maiores reservas de nióbio no mundo, um mineral versátil com diversas aplicações. Situado na Floresta Amazônica, esse território está na fronteira do Brasil com a Venezuela e a Colômbia. Apesar do potencial específico da reserva, estimado em cerca de 2,9 bilhões de toneladas de nióbio, sua exploração é impossível devido à localização em território indígena e dentro de áreas de proteção ambiental, como o Parque Nacional do Pico da Neblina e a Reserva Biológica Estadual do Morro dos Seis Lagos.

A reserva do mineral em São Gabriel da Cachoeira (AM), na fronteira com a Venezuela e a Colômbia, está entre as maiores do mundo. No entanto, mesmo com as suas altas possibilidades comerciais, a exploração comercial não é possível devido à localização em território indígena e nas áreas de proteção ambiental mencionadas acima. Mesmo que haja uma possibilidade do governo estadual considerar a exploração do nióbio de Seis Lagos, essa iniciativa enfrentaria obstáculos na legislação federal, pois a reserva está situada em territórios indígenas. Até mesmo a realização de pesquisas nesses territórios requer autorização.

Além da Amazônia, outra expressiva reserva de nióbio em operação encontra-se em Araxá, na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. A estimativa de reservas apenas em Araxá ultrapassa 800 milhões de toneladas do minério, garantindo mais de 100 anos de produção, considerando a demanda atual. Contudo, ao considerar depósitos em rochas subterrâneas, a capacidade de exploração está projetada para mais de 400 anos.

Atualmente, o nióbio produzido em Minas Gerais pela CBMM é exportado para mais de 50 países, com grande potencial para atender às demandas das empresas siderúrgicas. 

O Nióbio e suas múltiplas aplicações industriais 

O mineral, dadas suas características singulares, tem se destacado cada vez mais, apresentando uma demanda crescente e diversas aplicações. Uma das principais vantagens ao empregar o nióbio reside na capacidade de modificar consideravelmente uma tonelada de ferro com apenas uma pequena quantidade desse elemento. Esse atributo confere ao metal propriedades como maior leveza, resistência à corrosão e eficiência aprimorada. 

Exemplos de equipamentos que utilizam Nb em suas estruturas Fonte: Recursos Minerais de Minas Gerais - RMMG²

² SEER, Hildor José; DE MORAES, Lucia Castanheira. Nióbio. Recursos Minerais de Minas Gerais – RMMG. Disponível AQUI

Segue abaixo uma lista elucidativa das diversas formas em que o nióbio é empregado:

1. Ligas metálicas:

A incorporação de nióbio em ligas aumenta a temperatura, ou seja, a capacidade de suportar quando expostas ao calor e posteriormente resfriadas. A camada de nióbio com carbono e nitrogênio beneficia as propriedades mecânicas da liga, ampliando suas aplicações industriais. Um exemplo notável é o aço, uma liga metálica composta por ferro e carbono, onde a adição de nióbio traz benefícios para setores como:


  • Indústria automotiva: possibilita a produção de carros mais leves e resistentes a colisões.
  • Construção civil: melhora a soldabilidade do aço e confere maleabilidade.
  • Indústria de dutos de transporte: permite construções com paredes mais finas e diâmetros maiores sem comprometer a segurança.

2. Superligas:

As superligas, projetadas para suportar temperaturas elevadas e apresentar resistência mecânica, tornam-se úteis na fabricação de turbinas de aviões ou na produção de energia. A adição de nióbio a essas ligas contribui significativamente para essas propriedades, possibilitando o desempenho em ambientes de temperaturas extremas, como motores a jato de alto desempenho.

3. Ímãs supercondutores: 

Devido à supercondutividade do nióbio, compostos como nióbio-germânio, nióbio-escândio e nióbio-titânio são empregados em diversas aplicações, tais como Scanners de máquinas de ressonância magnética; aceleradores de partículas, como o Grande Colisor de Hádrons e na detecção de radiação eletromagnética, bem como estudo da radiação cósmica por meio de materiais que contêm nitrito de nióbio.

4. Óxidos:

O nióbio, quando transformado em óxidos, principalmente Nb2O5, encontra diversas aplicações, incluindo: lentes ópticas, capacitores cerâmicos, sensores de pH, componentes do motor e produção de joias.

Essas e outras diversas aplicações destacam as especificidades e importância do nióbio em diferentes setores industriais.

Importância da exploração sustentável do nióbio na Amazônia 

A exploração do nióbio na Amazônia exige uma abordagem cuidadosa e sustentável para garantir que os benefícios econômicos não comprometam a integridade desse ecossistema vital. É imperativo que essa exploração ocorra de maneira consciente, considerando os impactos ambientais e sociais associados.

A sustentabilidade na exploração do nióbio na Amazônia começa com a implementação de práticas de mineração que respeitam os ecossistemas delicados da região. A preservação de áreas de proteção ambiental, como o Parque Nacional do Pico da Neblina e a Reserva Biológica Estadual do Morro dos Seis Lagos, é essencial para garantir a integridade dos habitats locais.

Além disso, a participação ativa das comunidades indígenas e locais é crucial. A exploração do nióbio na Amazônia deve ocorrer de maneira transparente e inclusiva, respeitando os direitos dessas pessoas e proporcionando benefícios socioeconômicos justos. O diálogo contínuo com essas comunidades é essencial para entender e mitigar os impactos da mineração em suas vidas e culturas.

A gestão eficiente dos resíduos resultantes da eliminação do nióbio é outra dimensão fundamental da sustentabilidade na região amazônica. Tecnologias avançadas de tratamento de resíduos e reciclagem devem ser inovadoras para minimizar o impacto ambiental negativo, contribuindo para a preservação a longo prazo da Amazônia.

A exploração sustentável do nióbio na Amazônia não apenas preserva a riqueza natural da região, mas também contribui para a construção de uma economia mais resiliente e equitativa. Investir em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias que otimizem o uso do nióbio, aliado às práticas responsáveis de mineração, é essencial para conciliar o desenvolvimento econômico com a conservação ambiental na Amazônia.

Ao adotar uma abordagem sustentável na exploração do nióbio na Amazônia, é possível alcançar um equilíbrio crucial entre o crescimento econômico e a preservação ambiental, garantindo que as futuras gerações possam desfrutar dos benefícios inestimáveis que a Amazônia oferece.

Com a colaboração de:

Prof. Dr, Yunier Sarmiento Ramírez possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Amazonas, mestrado em Gestão de Empresas pela Universidad de Holguín – Cuba e doutorado em Economia pela Universidade Federal de Rio Grande do Sul. Atualmente é professor da Universidade Federal do Amazonas no Departamento de Economia e Análise – DEA e no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia – PPGSS. Desenvolve pesquisas na área de Economia aplicada, teoria econômica e métodos quantitativos

Sobre o autor

Prof. Dr, José Barbosa Filho possui graduação em Engenharia de Pesca pela Universidade Federal do Ceará (1989), mestrado em Economia Rural pela Universidade Federal do Ceará (1992) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Atualmente é professor Titular da Universidade Federal do Amazonas. Desenvolve pesquisas na área de Contabilidade Ambiental, Matemática Financeira e Econometria, com ênfase em Gestão Ambiental, atuando principalmente nas seguintes áreas: valoração ambiental, desenvolvimento sustentável, avaliação de impactos ambientais e gerenciamento de processos.

Contato:

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Veja mais notícias sobre Amazônia: ameaça ou oportunidade?.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 22 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/