Filha de Leandro posa abraçada com o tio, Leonardo: ‘Meu veinho que eu sou apaixonada’

Foto: Divulgação/iBahia

Lyandra Costa, de 21 anos, filha do cantor Leandro, mata um pouquinho da saudade do pai, que morreu em 1998, aproximando-se do tio, Leonardo, que formava com ele uma dupla sertaneja. Em seu perfil no Instagram, a jovem publicou um foto em que aparece abraçada a ele. “Meu veinho que eu sou apaixonada! O senhor consegue se superar sempre! Te amo”, escreveu ela, que posou com o cantor após um show dele. Na ocasião, ela posou ainda com os primos.

Lyandra está cursando a faculdade de Medicina, mas vira e mexe se aventura no mundo da moda. Apesar da beleza e do jeito para coisa, ela afirma que não pensa em seguir carreira artística.

“Não pretendo seguir a carreira artística. Gosto muito de postar fotos no Instagram, gosto de compartilhar o meu dia a dia com as pessoas, gosto de compartilhar dicas do que acho legal, e isso acabou me gerando alguns trabalhos com moda, divulgação do que me interessa, e isso acaba ocupando um pouco do meu tempo livre! Esse é um trabalho extra, mas não penso em ser atriz ou cantora. No máximo uma pseudoblogger (risos) como forma de hobby. Daqui a 2 anos já me formo, e irei exercer a profissão de médica mesmo”, contou ela ao EXTRA.

Ela tinha apenas 2 anos de idade quando o pai, o cantor Leandro, morreu, em 23 de junho de 1998, em consequência de complicações de um câncer raro chamado tumor de Askin. Dezoito anos após a tragédia que abalou o país, a estudante de Medicina Lyandra Costa, de 21 anos, conta que ainda chora com a ausência do cantor. “Nunca superei a perda do meu pai e não existe um só dia em que eu não pense nele”, disse a jovem, que herdou os olhos claros de Leandro e também da mãe, Andrea.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Censo Demográfico: quilombolas rondonienses tem idade mediana um ano a mais que população total

Na região norte, o maior índice de envelhecimento dos quilombolas foi apresentado por Mato Grosso (76,93) e os menores foram no Amazonas (23,4) e Amapá (28,96).

Leia também

Publicidade