Com bandeira verde, conta de luz deve ficar mais barata no Acre

A conta de luz vai ficar mais barata durante o mês de dezembro, no Acre. A bandeira tarifária para o mês será a verde, ou seja, sem custo extra para os consumidores do Estado. A informação foi repassada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na última sexta-feira (30).
O Sistema de Bandeiras Tarifárias sinaliza o custo da energia gerada, dando a possibilidade ao usuário reduzir os gastos quando o valor cobrado for maior. A bandeira variou entre os patamares amarelo ou vermelho, desde maio deste ano.
O gerente comercial da Eletrobras Distribuição Acre, Roberto Rocha, explica como as variações ocorrem na prática. “A energia gerada no país é por hidrelétricas, uma vez que os níveis de chuvas são reduzidos, vai refletir na redução ou elevação dos níveis de água nos reservatórios. Quando os níveis estão baixos, significa dizer que para auxiliar na geração de energia, é preciso ligar a termelétrica, cujo custo de energia é mais caro. Então, foi o que ocorreu nos últimos cinco meses, onde a bandeira tarifária foi a vermelha no seu patamar dois. Significa dizer que foi adicionado na conta do cliente R$ 5 por cada 100 kw/h consumidos”, disse.
Com as chuvas aumentando nos locais em que existem as hidrelétricas, ocorre a retirada da cobrança extra, ressalta Rocha. “Com essa estação chuvosa, que a gente tem observado em todo o Brasil, principalmente nas regiões onde ficam as usinas hidrelétricas, significa dizer que o nível desses reservatórios estão se elevando”, explicou.
O gerente comercial da Eletrobras também informou que não há como saber exatamente até que mês as contas estarão com a bandeira verde. Mas, levando em consideração o período de chuvas no início deste ano, estima-se que até abril os consumidores paguem mais barato pela energia.
Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

TCE emite alerta aos 62 municípios amazonenses para combate às queimadas e estiagem

O alerta se baseia na maior seca já registrada na história do Amazonas em 2023, que levou ao desabastecimento e o isolamento de comunidades ribeirinhas.

Leia também

Publicidade