Plano visa organizar assistência médica a migrantes venezuelanos em Roraima

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, assinou, com o governo de Roraima e com os municípios de Boa Vista e Pacaraima, nesse domingo (14), o Plano Integrado de Ação para Saúde em Roraima – Migração de Venezuelanos.

O plano tem como objetivo orientar e organizar o setor de saúde para atender o fluxo migratório e foi elaborado pela Secretaria Estadual de Saúde, pelo Ministério da Saúde e pelas duas prefeituras.

Foto:Reprodução/Human Rights Watch

De acordo com informações da pasta, foram mais de 27 mil atendimentos de venezuelanos nos últimos quatro anos. Em 2015, mais de 3 mil. Já em 2017 chegaram a mais de 15 mil. Além do número crescente de venezuelanos atendidos nas unidades de urgência e emergência, a partir de 2016, essa demanda deixou de se concentrar em Pacaraima e passou a ser recebida em unidades de outros municípios.

Também a partir de 2016, mas principalmente no ano passado, cresceu a demanda de atendimento em unidades ambulatoriais e especializadas, e não apenas de urgência como era em 2014.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, outros acordos serão assinados: um trata do fluxo de assistência à saúde nos abrigos de Boa Vista e outros dois devem capacitar pessoas em situação de vulnerabilidade no estado e agentes da Defesa Civil estadual que cuidam dessa população.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Borboleta amazônica híbrida: pesquisa comprova nova espécie

As análises genéticas e ecológicas indicam que os primeiros cruzamentos entre as duas espécies de borboletas que originaram a nova ocorreram há cerca de 180 mil anos.

Leia também

Publicidade