Aedes aegypti: inseticida à base d’água usado contra o mosquito é testado pela primeira vez no Amapá

Novo produto e técnica estão sendo aplicados na Zona Norte de Macapá, que registra alto índice de infestação do mosquito transmissor da dengue, zica e chikungunya.

Um novo inseticida à base de água está sendo testado pela primeira vez no Amapá. A ação ocorre no bairro do Brasil Novo, na Zona Norte de Macapá, e é realizada por pesquisadores do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa).

A região onde ocorre a aplicação e o monitoramento da pesquisa possui um alto índice de infestação do mosquito transmissor da dengue, zica e chikungunya. Os cientistas também observam a nova técnica de borrifamento dentro das casas.

Foto: Divulgação/Iepa

Segundo o pesquisador e coordenador do Laboratório de Entomologia Médica do Iepa, Allan Kardec, a partir dos resultados será possível ter um diagnóstico da eficiência do inseticida.

“Nós estamos buscando fazer o controle do mosquito transmissor da dengue. Se a técnica e o produto corresponderem com a mortalidade de mosquitos com a redução de casos, o Ministério da Saúde, caso queira, pode implementar no sistema”,

explicou o pesquisador.

O produto já foi aprovado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mas ainda não havia sido testado no país.

Foto: Rafael Aleixo/g1 Amapá

Como ocorre a aplicação

O bairro do Brasil Novo foi selecionado para receber a aplicação do inseticida Fludora Co Max. Residências na região vem recebendo armadilhas há 1 mês, visando coletar ovos do mosquito. Para isto, foram realizadas aspirações em residências para coletar e contabilizar os mosquitos.

Para testar a eficiência do novo inseticida, os pesquisadores utilizam um tipo de gaiola onde os mosquitos ficam expostos ao novo produto durante 15 minutos para serem avaliados posteriormente.

Mas para matar os mosquitos, as gotas aplicadas pelos borrifadores têm que ser do tamanho ideal. Cada detalhe é analisado e anotado pelos pesquisadores. Se os resultados forem promissores, o novo inseticida poderá ser aplicado em todo o país.

*Por Rafael Aleixo, do g1 Amapá 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Plano Nacional de Mineração 2030: geologia, mineração, transformação mineral

O Brasil, salienta o Plano, é um importante produtor mundial de minérios; contudo, seu consumo per capita encontra-se entre 15% e 30% dos países que já lograram atingir níveis mais elevados de desenvolvimento.

Leia também

Publicidade