Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Domingo, 05 Abril 2020

Sem recursos, aplicativo para tradução de línguas indígenas está desativado

Sem recursos, aplicativo para tradução de línguas indígenas está desativado
Imagens das abas do aplicativo 'Traduzíndio'. Foto: Divulgação/Traduzíndio
O aplicativo Traduzíndio criado por pesquisadores de Tocantins, para a tradução de línguas indígenas Xerente e Apinajé para o português, está desativado por falta de recursos. Com potencial para traduzir muitas outras línguas indígenas já catalogadas, o projeto atualmente não tem dinheiro o suficiente para manter os servidores funcionando. Mesmo assim, os idealizadores do app foram convidados pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional e Tecnológico da China para participar de um congresso científico internacional em Paris.

Segundo os pesquisadores da Universidade Federal do Tocantins (UFT) Alain Neves Lima e George Lauro Ribeiro de Brito, o aplicativo envia o texto que precisa ser traduzido para um servidor que faz o trabalho. Assim que a tradução é finalizada, o servidor envia o texto de volta para celular. "Isso acontece porque o processo de tradução precisa de muito processamento. Um celular não consegue realizar esse trabalho. Entretanto, manter um servidor não é barato, e por falta de recursos não temos mais um que possa nos atender", explica Alain.

A criação do app partiu de uma pesquisa da própria UFT sobre alunos que abandonavam a universidade. Os indígenas eram o grupo social com maior número de desistências e a língua, era apontada como principal empecilho para a permanência dos estudantes. Os dois pesquisadores decidiram então criar um aplicativo que pudesse ajudar os alunos.

Os pesquisadores utilizaram como fonte os documento publicados por vários pesquisadores e tradutores. O mais antigo deles foi realizado pelo alemão Carlos Günter, que traduziu em meados dos anos 1980 a Bíblia para língua Xerente e produziu um dicionário a partir do seu trabalho. Outras palavras mais modernas, como celular e internet, foram catalogados mais recentemente por outros linguistas.

O povo Xerente habita o bioma Cerrado, no Tocantins, e tem uma população de 3,5 mil indígenas. Os Apinajé, estão no extremo Norte do Tocantins, na fronteira com o Maranhão, e têm uma população de 2.777 pessoa. De acordo com os criadores do Traduzíndio, se o aplicativo estivesse funcionando, toda essa população teria acesso a tradução de suas línguas para o português em tempo real.
Pesquisadores George Lauro e Alain Neves com indígenas de Tocantins. Foto: Divulgação/Traduzíndio
Reconhecimento internacional

Recentemente a pesquisa recebeu sinal positivo da comunidade científica internacional com o um convite para apresentar o Traduzíndio em Paris, nos próximos dias 11 e 12 de março. O congresso é organizado pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional e Tecnológico da China. A ideia é mostrar para outros pesquisadores do mundo como foi realizado a pesquisa de maneira que eles possam replicar em outras partes do mundo.

"A nossa necessidade atual é captar recursos para ir até o congresso. Mas nós temos muitas outras necessidades além da viagem para a França. Nossa vontade é continuar registrando dados de línguas indígenas e expandir a plataforma, mas a longo prazo nossa maior desafio é ir atrás de recursos para manter a pesquisa", diz Alain.

O aplicativo foi lançado em 2015 durante os Jogos Mundiais Indígenas e rapidamente chamou a atenção. "Durante a nossa apresentação nos jogos, muito indígenas falaram conosco. Eles estavam felizes de ver a sua cultura como parte integrante de uma tecnologia. Inclusive alguns indígenas do Pará entraram em contato para tentar colocar a tradução de sua língua no aplicativo", revela Alain.

Veja mais notícias sobre Ciência e Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 06 Abril 2020