Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 10 Abril 2021

Joalheira venezuelana supera desafios da deficiência e recomeça no exílio

acnur-2

A mãe de 34 anos de dois filhos perdeu o braço direito em um acidente há mais de uma década e aprendeu a usar a mão esquerda com tanta habilidade que era capaz de lidar com as miçangas mais complicadas. O pai de Stephanie também era joalheiro, então ela diz que carrega o artesanato "no sangue".

Stephanie diz que muitos de seus clientes ficam surpresos ao saber que ela mesma fabrica suas joias. (Foto:Sebastián Narváez/ACNUR)

Com o capital inicial da HIAS, uma organização sem fins lucrativos que trabalha com o ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, Stephanie fundou a Manex, uma fábrica de joias feitas à mão cujo nome é uma mistura das palavras espanholas para "mãos" e "estrangeiro."

"Temos que avançar constantemente e continuar lutando"

"Nós refugiados não temos o luxo de parar – mesmo aqueles sem deficiência", disse Stephanie, cuja família encontrou refúgio no Equador em 2016, fugindo das ameaças direcionadas a eles depois do assassinato de seu irmão. "Temos que avançar constantemente e continuar lutando para transformar os sonhos e oportunidades que tínhamos em casa em realidade em outras partes do mundo".

Como Stephanie, existem milhões de refugiados e solicitantes de asilo com deficiência em todo o mundo, embora o número exato não seja conhecido. Os dados globais mais recentes, que datam de 2011, sugerem que 15 por cento da população mundial tem algum tipo de deficiência. Quando aplicado às cerca de 80 milhões de pessoas que foram deslocadas à força no mundo, isso significaria que há cerca de 12 milhões de pessoas deslocadas com deficiência.

No entanto, outros estudos mostraram que muitas pessoas deslocadas enfrentam taxas de deficiência muito mais altas do que a população em geral. Na verdade, em lugares sujeitos a conflitos crônicos, como o Afeganistão, acredita-se que mais da metade das pessoas deslocadas tenham alguma deficiência, sendo as mulheres particularmente afetadas.

Embora Stephanie esteja determinada a ter sucesso em sua nova vida no Equador, ela reconhece que está novamente lutando contra alguns dos mesmos obstáculos que enfrentou depois de perder o braço em um acidente de carro enquanto estava a caminho do hospital para dar à luz ao primeiro filho.

Depois de ter o braço amputado, ela teve que lutar contra ser sumariamente demitida, menosprezada e excluída até que, aos poucos, pudesse provar tudo de que era capaz. Quando a família fugiu para o Equador, ela se viu de volta à estaca zero.

"Ter que sair do meu país significou ter que enfrentar tudo… a discriminação que já passei por conta da minha deficiência, além da discriminação de gênero e da xenofobia", disse Stephanie, que já havia experimentado o deslocamento uma vez. Nascida na Colômbia, ela e sua família foram forçadas a fugir do conflito armado lá quando ela tinha apenas sete anos, em busca de segurança na vizinha Venezuela, onde acabaram se naturalizando. "A adaptação tem sido muito difícil."

Ela diz que a experiência de fugir de casa como uma pessoa com deficiência representa um duplo desafio – muito parecido com o que ela enfrentou após o acidente.

"Tive que lidar com duas coisas bastante difíceis ao mesmo tempo: tornar-me mãe pela primeira vez e tornar-se uma pessoa com deficiência", disse Stephanie, que teve que aprender a segurar e alimentar o bebê e a trocar fraldas com uma única mão, a esquerda. Ela era destra antes do acidente.

"Ter que deixar meu país significava ter que enfrentar tudo de novo"
Stephanie diz que teve que provar seu valor novamente depois de fugir da Venezuela para o Equador.(Foto:Sebastián Narváez/ACNUR)
Enquanto a população de refugiados muitas vezes enfrenta desafios para garantir o básico como um teto sobre suas cabeças e acesso a emprego, escola e cuidados de saúde, as pessoas com deficiência enfrentam uma série de obstáculos virtuais adicionais devido, em grande parte, às atitudes sociais.


Pessoas deslocadas com deficiência correm frequentemente um risco elevado de discriminação, exploração e violência e até enfrentam barreiras para ter acesso à tão necessária assistência humanitária. Além disso, pessoas com as chamadas deficiências "invisíveis" – aquelas que não são facilmente identificáveis à primeira vista, como surdez e certas deficiências cognitivas e psicossociais – às vezes enfrentam obstáculos ainda maiores, dizem os especialistas.

"O primeiro passo para aliviar o fardo das pessoas deslocadas com deficiência é o reconhecimento. O ACNUR reconhece que as pessoas com deficiência podem enfrentar estigma adicional e riscos aumentados", disse Ricardo Pla Cordero, oficial de proteção do ACNUR que ajuda a adaptar os programas e políticas da agência para atender às diversas necessidades das pessoas com deficiência. "É nossa responsabilidade estar ciente das barreiras e mitigá-las ou removê-las completamente."

Stephanie vê sua deficiência não apenas como uma fonte de desafios, mas também de força.

As deficiências "por um lado prejudicam você porque fecham oportunidades – de educação, bons empregos e promoções", disse ela, acrescentando que "também acabam ajudando porque as dificuldades que nós, como pessoas com deficiência, enfrentamos nos tornam mais engenhosas e nos permitem criar nossas próprias oportunidades."

Embora a pandemia de coronavírus tenha afetado seu plano de negócios, o objetivo de Stephanie é um dia ser capaz de contratar trabalhadores ignorados por muitos outros empregadores – como outras pessoas com deficiência e idosos, bem como refugiados – para mostrar seu potencial ignorado.

"Encontrar um emprego não é fácil quando você está incapacitado porque as pessoas olham para você e decidem que você não pode fazer o trabalho sem nem mesmo lhe dar uma chance", disse Stephanie, que durante a pandemia de coronavírus e os cortes resultantes nos gastos com coisas não essenciais, como joias, teve que trabalhar vendendo frutas e vegetais e outras tarefas diárias esporádicas.

"A meu ver, ter a atitude de que 'eu não consigo' é a verdadeira deficiência", disse Stephanie. "Se eu posso fazer isso, você também pode."

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 10 Abril 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/