Manaus 30º • Nublado
Quarta, 10 Agosto 2022

Tatu-canastra: conheça o maior e mais raro tatu do mundo, que vive na Amazônia

Captura-de-Tela-2021-04-08-as-16.31.03
 
Imagens dos tatus da Amazônia foram capturadas durante uma expedição da ong WWF na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre. No filme mostra diferentes espécies de tatus e traz várias curiosidades sobre um dos animais mais distintos do bioma amazônico. 

Entre os animais retratados estão o tatu-rabo-de couro (Cabassous unicinctus), o tatu-galinha (Dasypus novemcinctuo), o tatu quinze-quilos (Dasypus kappleri) e o tatu-canastra (Priodontes maximus). 
Foto:Frederico Lemos/WWF

Maior e mais raro

O tatu-açú ou tatu gigante, ele é o mais raro do mundo, e também o maior: chega a medir mais de 1 metro de comprimento e pesar mais de 60 quilos.

O tatu-canastra possui hábitos noturnos e passa muito tempo debaixo do solo – por isso, imagens dele são difíceis de serem encontradas; e existem dificuldades também para estudá-lo e pesquisá-lo. Ele é tido como um dos mamíferos de grande porte menos conhecidos do Brasil, vistos que existem poucos estudos científicos sobre este animal.  

A visão do tatu-canastra é muito ruim; seu olfato, porém, é bastante apurado. E, por conta das garras grandes e fortes que chegam a 20 centímetros, o tatu-canastra é conhecido como “engenheiro do ecossistema”: com as garras, ele cava e escava de maneira profunda, alterando significativamente o ambiente em que se encontra.

Foto: Kennedy Borges/ICMBio

Pequeno blindado

Os tatus são mamíferos Xenarthras, pertencentes à ordem Cingulata. Eles se caracterizam pela sua grossa carapaça, que serve de proteção e escudo. Por conta da carapaça, o nome em espanhol do tatu é armadillo, termo que significa “pequeno blindado”.

A origem desses animais remonta há 80 milhões de anos – eles fazem parte de um grupo bastante distinto, que divide ancestrais comuns com os tamanduás e preguiças. Eles são nativos do continente americano e tem extensa área de ocorrência, aparecendo desde os Estados Unidos até a América do Sul. Os tatus se alimentam de cupins, formigas, larvas, pequenos vertebrados e vegetais.

Hanseníase

As principais ameaças aos tatus hoje são a conversão de matas nativas em lavouras e pastos - que reduzem o habitat natural necessário para a sobrevivência dessa espécie - e a caça. Eles também são muito impactados por grandes obras, que diminuem sua área de circulação, e por atropelamentos em estradas.  

Um fato é que os tatus têm importância também para a Medicina. Como um dos poucos animais além dos humanos capazes de contrair a hanseníase, eles são muito importantes para os estudos desta doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. Possivelmente, pessoas que caçam e comem tatus tem maior risco de desenvolver essa enfermidade.

Tatu-galinha | Foto:Tom Friedel/WWF 


Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 10 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/