Manaus 30º • Nublado
Quinta, 27 Janeiro 2022

MP quer que concessionária cuide de animais atropelados em rodovias no MT

MP quer que concessionária cuide de animais atropelados em rodovias no MT

A empresa que adquiriu o direito de explorar, mediante a cobrança de pedágio, o trecho de 850,9 km, em duas rodovias do Estado, a BR-163 (822,8 km) e a MT 407 (28,1 km). Foto: Reprodução/ANTT
O Ministério Público do Mato Grosso (MP-MT) ingressou com uma ação na Justiça para obrigar a Concessionária Rota do Oeste S.A. a dar assistência aos animais atropelados no trecho de 850,9 quilômetros administrados pela empresa no Estado. Entre as medidas requeridas estão a implantação de unidades móveis de resgate, acompanhamento e pagamento de todo o tratamento. Em caso de descumprimento, o MP pede que seja aplicada multa diária no valor de R$ 10 mil.

A empresa que adquiriu o direito de explorar, mediante a cobrança de pedágio, o trecho de 850,9 quilômetros (km), em duas rodovias do Estado, a BR-163 (822,8 km) e a MT 407 (28,1 km). Além da ação civil pública, com pedido de liminar, o MPE requer ao Poder Judiciário que estabeleça à concessionária o prazo de 30 dias para que promova os meios necessários para garantir a devida assistência aos animais atropelados nas duas vias, que têm grande circulação de veículos.

Entre as medidas requeridas também está o encaminhamento dos animais a centros de reabilitação e triagem devidamente autorizados por órgão ambiental.

Atropelamentos

Conforme apurado em inquérito civil, a exploração da rodovia pela concessionária "vem resultando em acidentes e óbitos de animais da fauna silvestre, sem que a empresa requerida adote qualquer providência que mitigue as consequências dos acidentes já que os atropelamentos especificamente no trecho (citado) são de responsabilidade da concessionária requerida”.

Segundo o MP, a empresa se limita, quando muito, a coletar os animas acidentados, ainda vivos, e entregá-los à 2ª Companhia de Polícia Militar de Proteção Ambiental, deixando, a "partir daí, à própria sorte, já que não é função desta instituição receber ou tratar de tais animais. Não possui estruturas para isto e não há profissional veterinário contratado", destaca o promotor de Justiça, Marcelo Caetano Vacchiano.

Dezenas de espécies da fauna silvestre acidentadas no trecho sob gestão da Concessionária foram encaminhados para a Polícia Ambiental, conforme registro de Boletins de Ocorrência, Termos de Resgate e Recebimento de Animais Silvestres, contabilizando várias mortes, por falta de atendimento veterinário. Espécies como araras (azul, amarela e arara canindé), emas, tucanos jiboias, corujas, seriemas, periquitos, antas e gaviões já morreram no trecho explorado pela empresa.

"Diante de tal quadro, constatou-se que são duas as situações oriundas de atropelamentos de animais: ou ficam feridos e necessitam de cuidados (às vezes sem condições de retornar ao seu habitat natural) ou morrem. Assim, a Requerida, além de descumprir sua obrigação lega, transfere-a para o Estado (Polícia Ambiental) e sociedade (ONGs). De outro lado, o Estado de Mato Grosso se mantém inerte, não exigindo da Concessionária medidas de compensação/mitigação", pontua o promotor.

Na ação, o Ministério Público esclarece que possui interesse na solução consensual do conflito em audiência a ser realizada com a empresa e o Estado de Mato Grosso, sendo indispensável a presença da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), "logo após a apreciação e concessão de liminar independente de contestação ou justificação prévia, já que o perecimento do direito não suporta se aguarde mais tempo".

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 27 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/