Manaus 30º • Nublado
Quarta, 18 Mai 2022

O multiverso do metaverso: entenda o que é metaverso e como ele pode auxiliar na preservação da Amazônia

b2ap3_large_woman-enjoying-vr-headset-1

O mercado do metaverso chamou a atenção de todos, principalmente após a mudança do nome da rede social Facebook, para 'Meta'. O metaverso possui várias ramificações e tem sido abordado em eventos de tecnologia com cada vez mais frequência. Mas, afinal, o que é o metaverso?

É um conceito que tem como objetivo a união entre os mundos real e virtual. Sabe aquela visão futurista que vemos em filmes de distopias tecnológicas, onde o mundo virtual se junta com o dia a dia das pessoas? Em resumo, o metaverso é um ambiente virtual imersivo formado por meio de inúmeras tecnologias, como o caso de 'realidade virtual', da 'realidade aumentada' e a utilização de hologramas.

Basicamente, quando pronto, as pessoas poderão interagir umas com as outras, trabalhar, estudar, ter uma vida social por meio dos avatares 3D, isto é, uma espécie de segunda realidade.

Foto: Reprodução/Freepik

Para quem achava que isso poderia acontecer apenas em filmes ou jogos, o metaverso traz o que um dia foi apenas ficção cinematográfica para a realidade. 

O termo surgiu pela primeira vez em um livro chamado 'Snow Crash', do autor Neal Stephenson, publicado em 1992. A obra conta a história de Hiro Protagonist, um personagem que na vida real é entregador de pizza, mas, quando está no mundo virtual, chamado de metaverso, é um samurai.

Outro momento em que o tema foi retratado é no romance do escritor Ernest Cline intitulado 'Ready Player One' (Jogador número 1), que em 2018 ganhou as telas do cinema através da direção de Steven Spielberg. A história retrata os personagens que vivem em um mundo distópico e injusto e, como uma forma de fugir da realidade, entram em um simulador virtual chamado OASIS, que permite aos usuários serem o que quiserem.

Depois de ter "sumido do mapa", o termo retornou em 2021 quando a rede social 'Facebook' anunciou a mudança do nome para 'Meta', com o objetivo de se tornar referência ao desenvolvimento de um mundo virtual próprio.

Esse movimento ocasionou uma "corrida" virtual entre as empresas, onde quem ganha, conquista o universo do metaverso primeiro e consequentemente o seu público. 

Esquema de como funciona o metaverso. Arte: Vivian Seixas / Portal Amazônia

Tecnologias envolvidas na nova realidade 

Já é possível desfrutar parcialmente da ideia do metaverso, como o caso dos jogos 'Roblox', 'Fortnite' e 'Minecraft', onde o jogador pode explorar um mundo desconhecido e ter o seu próprio personagem.

Entretanto, a ideia do metaverso é justamente ser uma realidade nova que aborda todos os aspectos sociais. Para isso, é preciso que algumas tecnologias sejam utilizadas, como o caso da realidade virtual, o famoso VR (sigla em inglês que se refere a um lugar tridimensional construído através de softwares), e para que seja acessado, o usuário precisa se conectar via computador ou console de games juntamente com os óculos de realidade virtual e fones de ouvido. 

Foto: Reprodução/Freepik

Outra tecnologia utilizada, a realidade aumentada, atua de forma oposta, pois os dados são inseridos e levados para o mundo real. Um exemplo muito famoso desse formato é o jogo para smartphone Pokémon Go, onde o objetivo é caçar as espécies do universo da animação que "aparecem" no mundo real. 

Como o metaverso pode auxiliar na preservação da Amazônia? 

Para entender como o metaverso pode ajudar na preservação da Amazônia, é preciso, primeiro, compreender a ligação entre o metaverso e o mercado NFT. Os Tokens Não Fungíveis, conhecidos como NFTs, são ativos digitais que representam objetos do mundo real, como arte, música, itens de games e vídeos que são vendidos e negociados online através de moedas digitais.

Os produtos NFT, nada mais são do que um tipo especial de token criptográfico, único, e que, diferente das criptomoedas, não são intercambiáveis, ou seja, não podem passar de um proprietário para outro.

O mercado de compra e venda desse objeto cresceu muito nos últimos anos, e, para auxiliar na preservação da Amazônia, algumas empresas e empreendedores estão utilizando o recurso exatamente para isso.

A Climatech Moss, por exemplo, é uma dessas iniciativas que, em parceria com empresas privadas, vendem "pedaços" da Amazônia com o objetivo de manter aquela área preservada. O tamanho da área é de 1 hectare e é comercializado em formato NFT, chamado de Moss Amazon NFT. Quem fizer parte da iniciativa poderá monitorar digitalmente a área no projeto de preservação.

Área dos lotes oferecidos. Foto: Reprodução/Google Maps

Em fevereiro de 2022, o povo indígena Paiter Surui também lançou uma iniciativa para leiloar NFTs, neste caso, de obras de arte digitais, para aliar tecnologia à cultura milenar e contribuir para o monitoramento de queimadas, preservação do meio ambiente e proteção de comunidades indígenas. 

No total, 12 obras foram leiloadas até o dia 15 de fevereiro e 95,5% dos ganhos foram revertidos ao Projeto de Gestão e Vigilância Territorial do Povo Indígena Paiter Suruí. Um dos objetivos principais é proteger a comunidade 'Sete de Setembro' do desmatamento, extração ilegal de madeira, além de reduzir emissões de carbono.

Campus Party Day Boa Vista 

O Instituto Campus Party e o Sebrae realizam o Campus Day em Boa Vista (RR), neste sábado (14), e uma das palestras é sobre essa alternativa tecnológica da realidade proporcionada pelo metaverso. Quem comandará o palco é a CEO da YDreams Global, Karina Israel, convidada para falar sobre o assunto com a palestra 'Metaverso: A Outra Realidade'. A proposta é explorar quais os pilares mais relevantes, onde você precisa colocar sua atenção para não se perder no hype, e sobretudo, entender melhor onde estão as oportunidades para os visionários e empreendedores.

Karina possui mais de 20 anos de atuação profissional e é uma das pioneiras no desenvolvimento de negócios de interatividade no Brasil. A executiva criou a divisão de Brand Experience da YDreams, liderou as primeiras atividades interativas em tempo real em dispositivos móveis, outdoor e lojas conceito, exposições interativas e museus imersivos do Ocidente. Ela também é presidente da associação de realidades estendidas do Brasil XRBR.

A programação conta ainda com conteúdos sobre comunidades, startups, agritechs, ecossistema de inovação, economia criativa e muito mais. O CPDay começa às 9h, na Sede Administrativa do Sesc-Senac na Rua Araújo Filho, nº 947, Centro de Boa Vista.

Além da parceria Instituto Campus Party e Sebrae, a Campus Day Boa Vista conta com o apoio institucional da Prefeitura Municipal de Boa Vista, do SESC/RR, da empresa INFORR, da Rede Amazônica e do Grupo Parima Distribuidora. 

Veja mais notícias sobre Inovação e Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 18 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/