Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Segunda, 13 Julho 2020
chatbot-health-tech

Pesquisadores de universidade no Pará avaliam impacto de incêndio em área de Alter do Chão

Pesquisadores de universidade no Pará avaliam impacto de incêndio em área de Alter do Chão
Nesta quarta-feira (25), cerca de 30 alunos do curso de engenharia florestal da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) percorrem o local atingido pelo incêndio da última semana na Área de Proteção Ambiental Alter do Chão, em Santarém.
Foto:Divulgação/Redes Sociais
 
A professora do Instituto de Biodiversidade e Florestas da Ufopa Daniela Pauletto explica que este primeiro estudo será focado nos impactos da queimada na vegetação.
 

“A altura de chama que atingiu o incêndio e a porcentagem da copa que foi queimada e na vegetação rasteira a gente vai fazer uma amostra em áreas que queimaram e as que não queimaram, pra gente estimar quanto de matéria vegetal foi queimada”, disse.

 
O incêndio teve início no dia 14 de setembro e só foi controlado três dias depois. Uma área equivalente a mais de mil campos de futebol foi atingida. A Polícia Civil investiga se o incêndio foi criminoso.


Para a professora Daniela Pauletto, entre as medidas que devem ser adotadas para evitar queimadas de grande proporção está o uso do fogo de forma planejada.
 

“O que tem ocorrido é que o fogo sempre tem sido criminoso, mas o fogo poderia ser um aliado, porque a savana como tem a característica de ser muito aberto, ela acumulada muito material combustível rasteiro. Foi o que aconteceu nessa savana. Tinha algumas áreas que estavam quatro anos sem queima. Esse último ocorreu porque tinha muito material combustível. Mas poderia haver um planejamento melhor para prevenção, campanhas educativas, construção de aceiros”, disse.
 

As florestas não-alagadas foram as vegetações mais atingidas pelos incêndios recentes em Santarém.
Foto:Divulgação/Exército Brasileiro 

Um estudo feito pela Ufopa a pedido do Ministério Público Federal traz dados sobre a biodiversidade do cerrado amazônico presente em Alter do Chão.
 

Os pesquisadores encontraram quase 500 espécies de árvores que abrigam 300 espécies de aves.
 

O estudo também catalogou 93 espécies de répteis entre lagartos, serpentes, jacarés, tartarugas, 38 espécies de mamíferos de médio e grande porte, como onças, maracajás, antas, tamanduás, tatus e um número ainda não documentado de mamíferos de pequeno porte.


Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 14 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection