Manaus 30º • Nublado
Quarta, 22 Setembro 2021

Santarém: cultura e história se entrelaçam numa das cidades mais antigas da Amazônia

Vamos atualizar o Diário de Bordo da Expedição Pedro Teixeira, a Nova descoberta do rio das Amazonas

Olimpio Guarany, capitão da Expedição

Uma semana em Santarém foi o suficiente para conhecermos não só as suas belezas naturais, mas a sua rica história que nos remete ao século 17. A cidade está localizada na mesorregião do baixo amazonas, no oeste do Pará, distante cerca de 750 km de Belém.

Sua privilegiada localização e aspecto natural lhe deram o título de Pérola do Tapajós, por causa desse rio de águas esverdeadas e cristalinas. O Tapajós tem o privilégio de banhar a cidade.

Andando por Santarém dá para perceber sua rica cultura se entrelaçando, tecendo uma cidade que encanta e desafia a descobri-la nos detalhes da arquitetura portuguesa, na beleza da arte e cultura indígena e no sagrado e profano de suas festas.

Vista aérea de Santarém / Autor: OGuarany

Centro cultural João Fona

Centro cultural Joaõ Fona/ autor: OGuarany

Santarém também é conhecida por suas belas praias que esbanjam beleza em boa parte do ano quando as águas do rio baixam. Quem navega pelo Tapajós tem o privilégio de desfrutar do visual de uma extensão de quilômetros de praias de areias brancas.

Antes dos portugueses, os índios tupaius viviam aqui. Trabalhavam na agricultura, aliás considerada avançada para a época, mas também eram bons caçadores e pescadores.

Quando os jesuítas chegaram para catequizar os índios e fundar o povoado na aldeia dos tupaius, em meados do século 17, foi o padre João Felipe de Bettendorf quem veio com a missão de estruturar o povoado e explora-lo economicamente, mas encontrou uma sociedade organizada, estratificada e com sistema de produção agrícola bem definido. A primeira igreja que ele ergueu a consagrou a Nossa Senhora da Conceição.

Catedral N.Sra. da Conceição

Catedral N.Sra. da Conceição/ Autor: OGuarany

Na semana passada comentei sobre a divergência entre historiadores a respeito da construção da catedral de Nossa Senhora da Conceição. Há quem defenda a tese de que a obra da igreja já tinha sido iniciada quando o governador Mendonça Furtado ordenou a nova construção e que o projeto não seria do arquiteto Antonio Giuseppe Landi como muitos historiadores destacam, mas esse é um assunto para uma outra discussão.

O certo é que em 1758 quando o governador do Grão Pará esteve por aqui, transformou o povoado fundado pelos jesuítas em vila, dando-lhe o nome de Santarém, em homenagem a cidade portuguesa do mesmo nome.

Em 1867 quando o pesquisador Domingos Ferreira Pena descreveu a cidade, Santarém tinha apenas cinco ruas e 6 travessas. Hoje, a região central ainda guarda prédios remanescentes da colonização portuguesa, especialmente do período em que se tornou a cidade mais importante da região.

Alguns se destacam como o solar do Barão de Santarém, construído na metade do século 19 em estilo colonial português. Tem sete portas e foi decorado com móveis trazidos de Portugal. 

Vista a partir do mirante

Vista a partir do mirante/ Autor: Oguarany

Subimos até uma colina, onde havia uma fortaleza. Hoje o local abriga um mirante que permite contemplar o fenômeno do encontro das águas do Amazonas com o Tapajós. Dois rios, duas cores, correm na mesma direção, mas não se misturam. O fenômeno se explica pela diferença de temperatura das águas e pela alta densidade do Amazonas.

Na próxima semana vamos revelar curiosidades que nos deixaram impressionados em Santarém destacando as marcas culturais dos nossos ancestrais na região.

Acompanhe nossa Expedição pelas redes sociais:

YouTube.com/oguarany

Instagram: @guaranysailing

@olimpioguarany

Facebook: guarany tv

Veja mais notícias sobre Navegador da Amazônia.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 23 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/