Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 07 Mai 2021

Deficiência e a teoria das colheres

Numa sala do Clubhouse, ouvi a indicação do quadrinho "A diferença invisível"1. A história acompanha a personagem Marguerite que, aos 27 anos, se descobriu com Síndrome de Asperger2.

Marguerite sempre teve problemas de adaptação ao trabalho. Ela era considerada anti-social, sem "espírito de equipe" e nunca conseguiu se entrosar com os demais colegas, embora mantivesse produtividade e eficiência no serviço.

Foi pesquisando no Google que Marguerite "descobriu" que poderia ser "Aspie" (apelido de quem tem Síndrome de Asperger). O diagnóstico posterior apenas confirmou o que ela já desconfiava. Segundo ela, o laudo apenas "revelou" a sua real identidade.

Foto: Forest Simon / Unsplash

Ao contar aos amigos sobre sua condição, a maioria falou "você não parece autista" ou "você parece normal". Ao pedir adaptações à sua deficiência no seu trabalho (protetores auriculares e instruções por escrito, por exemplo), Christine ouviu do setor de recursos humanos que aquilo seria pedir muito.

Nesse momento, sem ser entendida por quase Marguerite invoca a teoria das colheres para explicar às pessoas como ela se sentia com aquela deficiência.

A teoria das colheres (spoon theory, em inglês) foi popularizada entre pessoas com deficiência após um texto viral de Christine Miserandino3.

A autora explica que estava em um jantar com uma amiga, quando a amiga lhe perguntou como era ter lúpus. Christine ficou bastante surpresa, porque a amiga a conhecia há anos e sabia de todos os seus sintomas. A amiga, porém, explicou: "não quero saber dos sintomas físicos, mas quero saber como você realmente se sente com o lúpus".

Foi assim que Christine pensou: como era ser ela mesma?

Christine apanhou todas as colheres que estavam à sua volta, olhou para a amiga, mostrou as colheres e lhe disse: "Você tem lúpus e você tem escolhas. A maioria das pessoas não precisam fazer escolhas, mas eu preciso. Tome essas colheres".

Christine pediu à amiga para contar as colheres e lhe explicou: "Considere essas 12 colheres como suas escolhas durante o dia. Você sempre conta que tem um estoque ilimitado de colheres durante o dia. Eu não tenho".

Christine, então, pediu à amiga para fazer uma lista das suas atividades durante o dia, incluindo as mais simples. A amiga começou a lhe contar sua rotina e Christine passou a explicar a teoria das colheres.

Acordou? Já gastou uma colher, porque você acorda tarde de uma noite mal dormida com dores. Teve que preparar o café da manhã? Outra colher, porque precisa cozinhar mesmo se sentindo mal e você precisa comer antes de tomar o remédio (se não tomar o remédio, é pior, pois passa o dia ruim). Tomou banho? Mais uma colher. Vai se vestir? Pelo menos duas colheres, porque não é toda roupa que vai ser confortável para a pele sensível. Ou nunca se sabe se o cabelo está caindo e precisa dar um jeito para parecer apresentável. Vai trabalhar o dia inteiro? 5 colheres pelo menos. Se quiser jantar com os amigos naquele dia, são mais quatro colheres, porque você não aguenta o barulho nem a interação social. E não há colheres suficientes para aquele dia.

Ao final, Christine disse: "Eu preciso fazer todas essas escolhas durante todo o dia. Todos os dias. E tenho que ter o cuidado para não ficar sem colheres ao final do dia, porque preciso voltar para casa".

Com lágrimas nos olhos, a amiga perguntou: "Christine, como você consegue?".

A teoria das colheres vem sendo aplicada hoje em vários estudos: para descrever espaços e tempos de pessoas com deficiência4, concentração de pessoas com transtorno do espectro autista5 e a rotina de pessoas com esclerose múltipla6. Isso não impede que ela também seja sugerida em outras situações, como o cansaço e a exaustão da fibromialgia (como foi feito nesse vídeo) ou da depressão7.

Para mim, a teoria das colheres reforçou a ideia de que padrões (mentais ou não) são opressores. A ideia da diversidade precisa também alcançar a da "neurodiversidade", especialmente aquela "invisível". Isso fica bastante claro numa frase dita por Marguerite ao leitor: "se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele passará a vida acreditando que é estúpido". 

1. Julie Dachez e Mademoiselle Caroline, A diferença invisível, tradução de Renata Silveira, São Paulo, Nemo, 2017. 2. Se quiser ler mais sobre a Síndrome de Asperger, há uma lista grande de artigos científicos no site do Ministério da Saúde. 3. Christine Miserandino,The spoon theory. 4. Enka Blanchard, Crip spatialities and temporalities: discreet crips in a discrete world, EspacesTemps.net, Association Espaces Temps.net, 2020. 5. Dinah Murray, Monotropism: an interest based account of autism. 6. Wesley Batista de Albuquerque et al, O impacto do diagnóstico de esclerose múltipla e as narrativas de testemunhos das novas vidas possíveis, Revista Mídia e Cotidiano, n. 13, abr./2019. 7. Aline Ramos, Como a teoria das colheres tem me ajudado a lidar com depressão.


Vitor Fonsêca é Doutor (PUC/SP), Professor Universitário e Promotor de Justiça (AM) - diarioprocessual.com



Veja mais notícias sobre Justiça e Direitos Humanos.

Veja também:

 

Comentários: 1

Uanna Ianayha Oliveira dos Santos em Sábado, 17 Abril 2021 13:04

Engrandecedor. Eu não conseguiria passar por esse texto sem indicar.

Engrandecedor. Eu não conseguiria passar por esse texto sem indicar.
Visitante
Sexta, 07 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/