Papa Francisco pede respeito aos povos indígenas

O papa Francisco recebeu nesta quarta-feira (15) representantes de povos indígenas que estão em Roma participar de um evento sobre o desenvolvimento agrícola no mundo e pediu que essas pessoas sejam “respeitadas”. Ao falar sobre os direitos dessa população, o líder católico destacou que “acredita que o problema essencial seja conciliar o direito ao desenvolvimento, incluindo aquele social e cultural, com a tutela das características próprias dos indígenas e de seus territórios”.

“Isso é evidente sobretudo quando vão ser estruturadas atividades econômicas que possam interferir com as culturas indígenas e a suas relações ancestrais com a terra. Neste sentido, deve prevalecer sempre o direito ao consenso prévio e informado, como prevê o artigo 32 da Declaração sobre os direitos dos povos indígenas”, ressaltou.

Para o Pontífice, “não se pode permitir uma marginalização ou uma divisão de classes: primeira classe, segunda classe…integração tem que ter plena participação”.

Durante seu discurso, Jorge Mario Bergoglio ressaltou a importância dos povos indígenas para o cuidado com o meio-ambiente, tema muito caro ao líder católico e que foi o tema da encíclica escrita por ele no ano passado, a ‘Laudato si‘.

“E vocês, nas vossas tradições, na vossa cultura, vivem o progresso com um cuidado especial com a mãe terra. Neste momento em que a humanidade está pecando gravemente em não cuidar da terra, eu vos exorto para continuar a dar testemunho disso”, pediu o sucessor de Bento XVI.

Ao finalizar sua mensagem, Francisco solicitou ainda que os indígenas não usem as tecnologias que “destruam a terra, que destruam a ecologia, o equilíbrio ecológico e que atuem para destruir a sabedoria dos povos”.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Censo Demográfico: quilombolas rondonienses tem idade mediana um ano a mais que população total

Na região norte, o maior índice de envelhecimento dos quilombolas foi apresentado por Mato Grosso (76,93) e os menores foram no Amazonas (23,4) e Amapá (28,96).

Leia também

Publicidade