Painel do “Amazônia Que eu Quero” será transmitido pelo Amazon Sat e g1 Amazonas

Nesta próxima quinta-feira (11), o painel “Bioeconomia: soluções inovadoras para a Amazônia” será transmitido ao vivo pelo Amazon Sat e pelo g1 Amazonas, proporcionando uma oportunidade para o público acompanhar discussões fundamentais sobre o desenvolvimento sustentável na região amazônica.

“Com a transmissão ao vivo, o evento busca ampliar o alcance das discussões e engajar uma audiência mais ampla, promovendo a conscientização sobre a importância da bioeconomia para a região e para o mundo.”, destacou Anderson Mendes, gerente de conteúdos especiais da Fundação Rede Amazônica.

Entre os temas a serem abordados estão o desenvolvimento de cadeias produtivas sustentáveis, a integração das comunidades locais na bioeconomia, e as políticas públicas necessárias para fomentar um crescimento econômico que esteja em harmonia com a conservação ambiental. O painel também discutirá políticas públicas e parcerias necessárias para impulsionar a bioeconomia na Amazônia.

“Estamos empolgados em levar essas discussões ao vivo para o público, destacando a importância da bioeconomia na construção de um futuro sustentável para a Amazônia. A transmissão pelo Amazon Sat e pelo G1 Amazonas permitirá que mais pessoas se envolvam e contribuam para essa causa vital”, destacou Débora Holanda, coordenadora do Amazônia Que Eu Quero.

A transmissão ao vivo começará às 20h, horário de Manaus, e estará disponível tanto na TV pelo canal 44.1, quanto nas plataformas digitais por meio do g1 Amazonas. O público poderá interagir e enviar perguntas aos participantes através das redes sociais da Fundação Rede Amazônica e do Amazônia Que Eu Quero, tornando o evento ainda mais dinâmico e participativo.

Sobre o Amazônia Que Eu Quero:
Concebido em 2018, o Programa “Amazônia Que Eu Quero” é uma iniciativa da Fundação Rede Amazônica e Grupo Rede Amazônica que tem por objetivo promover a educação política por meio da interação entre os principais agentes e setores da sociedade, além do levantamento de informações junto aos gestores públicos e da participação ativa da população, por meio de câmaras temáticas estabelecidas pelo programa, como foi o caso da edição de 2023 que discutiu três eixos centrais Educação, Turismo e Conectividade no contexto Amazônico. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade