Da FRAM para o Jornal Nacional e gerência de conteúdos: Ex-alunos relembram tragetória que iniciaram na Fundação

Personagens que iniciaram na Fundação somam mais de 15 anos de dedicação ao desenvolvimento da região 

A história dos 39 anos da Fundação Rede Amazônica foi construída por muitas mãos. Há, inclusive, ex-alunos que fizem carreira no Grupo Rede Amazônica, empresa essa que é considerada a maior rede de comunicação da Região Norte do país. Alguns somam mais de 15 anos de trabalho como é o caso do Gerente de Conteúdos Especiais da Fundação Rede Amazônica, Anderson Mendes e da jornalista e apresentadora do Jornal do Amazonas – 2º Edição, Luana Borba.

Anderson Mendes conta que fez Fundação em 2006 e após o período de estágio foi contratado para o Amazon Sat para ser produtor. Após anos de Grupo Rede Amazônica, ele foi promovido para Gerente do canal 44.1. Em 2021, veio a grande novidade e com um convite para integrar a equipe de comunicação institucional da Fundação Rede Amazônica.

“Foi uma grande jornada dentro do Grupo Rede Amazônica, atuo há 17 anos aqui e o principal desafio hoje é repassar e explicar para o público como a Fundação atua no terceiro setor, é divulgando e planejando conteúdos especiais voltados para a nossa área de atuação que através dessa comunicação nós conseguimos seguir com a nossa missão de educar e desenvolver a nossa região.”, destacou Anderson Mendes, Gerente de Conteúdos Especiais. 

A história da apresentadora Luana Borba, também se funde à história da Fundação Rede Amazônica. Foi na FRAM em que ela iniciou, incentivada pela mãe que há 20 anos atrás tomou a atitude de matricular a recém-formada no ensino médio, Luana Borba, no curso de apresentação e locução oferecido na época pela Fundação Rede Amazônica.

“Na verdade eu tinha uma outra pretenção de profissão e acabei não passando para o vestibular de medicina. Acabou que a minha mãe decidiu me matricular no curso enquando eu não decidia para qual área profissional eu iria e também para não me ver parada em casa. Foi quando ela acabou me apresentando a Fundação Rede Amazônica.”

Durante o curso, a apresentadora conta que teve a sorte da Rede Amazônica abrir seleções com uma pessoa de cada área para participarem de um estágio e serem contratadas para trabalhar no canal Amazon Sat. No canal, a apresentadora conta que chegou a apresentar programas de quase três horas no ar e que a experiência lhe rendeu bagagem para atuar no jornalismo. 

“Eu chegava a apresentar os programas direto da rua, foram muitos anos fazendo isso e foi uma experiência única. Lembro que na primeira vez em que apresentei um jornal, o antigo Amazônia News, eu me tremi todinha, eu não era acostumada com telepronter e tive que me adaptar.”

Após anos no Amazon Sat, a apresentadora conta que por questões familiares ela precisou se mudar para o Nordeste onde ela teve o primeiro contato com o jornalismo factual do dia a dia e após temporadas na Globo Nordeste e TV Verdes Mares, Luana Borba retornou para o Grupo Rede Amazônica, onde após alguns anos de apresentação no Bom dia Amazônia, Jornal do Amazonas – 1º Edição e Jornal do Amazonas – 2º edição, ela foi convidada a apresentar o Jornal Nacional, principal telejornal do país durante as comemorações de 50 anos do Jornal Nacional. Atualmente a apresentadora é editora-chefe e apresentadora do Jornal do Amazonas – 2º edição

Sobre a Fundação Rede Amazônica

A Fundação Rede Amazônica, é o braço institucional do Grupo Rede Amazônica, atua há 39 anos com os objetivos de capacitar pessoas, articular parcerias, desenvolver projetos e programas que contribuem para a proteção e desenvolvimento da Amazônia.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: o que é comida ‘remosa’?

Um estudo buscou promover uma revisão bibliográfica sobre o tema e propor uma hipótese teórica para o fenômeno.

Leia também

Publicidade