Manaus 30º • Nublado
Quarta, 01 Fevereiro 2023

Pai e chefe não são coleguinhas

Não faz muito tempo que Romeu foi promovido a gerente do departamento. Com vários anos de casa, Romeu sempre se destacou por ser um bom analista. Seu trabalho era feito com qualidade e dentro do prazo, com um perfeito domínio técnico. Era também querido por todos e tinha prazer em apoiar os colegas. Algumas vezes, realizava o trabalho que cabia a algum deles. Para Romeu não era difícil fazer rapidamente tarefas que outros demoravam muito mais. Quando comunicado oficialmente que seria ele o novo gerente, o grupo vibrou, bateu palmas e fez até barulho. Romeu sentiu-se feliz e reconhecido, já que, para ele, era muito importante ser uma pessoa querida. Seria a sua primeira experiência em uma função de chefia, mas estava seguro de que seria um bom líder, alguém seguido e admirado.

Infelizmente, as coisas não correram bem assim. A produtividade do setor caiu e multiplicaram-se os erros. Clientes reclamaram e o assunto chegou até a diretoria. O clima da equipe também não era dos melhores. Uns criticavam os outros e, à boca pequena, todos falavam da falta de pulso de Romeu em situações que deveria punir, neste caso, sempre um terceiro. Romeu puxou para si as tarefas mais importantes da área e, agora, estava mais envolvido do que nunca na operação. Além disso, Romeu dispende um bom tempo ajudando a um e a outro. Romeu continua querido pelo grupo, que ainda o vê como um bom amigo. Ele começa a se questionar: seria isso tão importante assim?
Foto: Reprodução/LinkedIn

De certa maneira, Romeu lida com questões semelhantes em casa. Tem um casal de jovens que beiram os seus vinte anos de idade. Sempre foram bons filhos, mas ultimamente vêm tendo comportamento agressivo com os pais. Com a mãe Jussara, eles têm "batido de frente" e ela reage com firmeza, fazendo uso de sua autoridade de mãe. Romeu tenta contemporizar e manter o canal aberto, sendo mais amigo do que pai. Isso sempre dera certo, mas não agora. Na maior parte das vezes, eles ignoram o que Romeu diz. Mais de uma vez, Romeu teve vontade de lembrar que ele era o pai. Mas precisaria agir assim?

Nada errado em ser um pai amigo ou um gerente amigo, ao contrário. É nesta condição que é possível favorecer que o filho seja o melhor que pode ser e um colaborador faça uso de seu maior potencial profissional. Mas para que isto aconteça é preciso que o pai e o gerente não deixem de ocupar a posição que lhes cabe. Pai é pai e não é coleguinha. O gerente, o diretor ou o coordenador também têm as suas responsabilidades próprias. Isso não os faz ser melhores ou piores, mas eles têm um papel a cumprir. Ser querido é bom, mas não é saudável quando isto se torna uma dependência, seja em relação aos filhos, aos liderados ou a qualquer pessoa. É como o sucesso, a fama e a aprovação fácil, que muitas vezes, aprisionam.

A tradicional teoria da liderança situacional, que sobrevive a outras que nascem e morrem a cada verão, ensina que um líder, mais do que seguir o seu estilo natural, deve considerar o estágio de maturidade do liderado ou do grupo, maturidade aqui entendida como uma combinação de preparo e atitude comportamental.

Há situações em que o líder precisará direcionar e acompanhar de perto, o que poderá parecer autoritário. Noutras, o mais adequado será treinar ou orientar. Às vezes o mais recomendado será compartilhar, trazer para perto. E, num processo de desenvolvimento, chegará o momento em que o mais eficaz será o delegar, o que costuma ser difícil para pais e para a maior parte dos que ocupam uma posição de liderança.

De qualquer maneira, para ser um líder autêntico é preciso ter coragem para exercer diferentes estilos, quando necessário. É bom se for querido, mas é preciso coragem para também não ser. Mesmo quando amigo, pai e chefe não são coleguinhas.

Sobre o autor

Julio Sampaio (PCC,ICF) é idealizador do MCI – Mentoring Coaching Institute, diretor da Resultado Consultoria, Mentoring e Coaching e autor do livro Felicidade, Pessoas e Empresas (Editora Ponto Vital). Texto publicado no Portal Amazônia e no https://mcinstitute.com.br/blog/.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Veja mais notícias sobre Felicidade no Mundo Corporativo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 01 Fevereiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/