Manaus 30º • Nublado
Segunda, 26 Setembro 2022

10 atrações turísticas para conhecer no Amazonas peruano

000774368M

Quem visita o departamento do Amazonas, na região nordeste do Peru, na Amazônia Internacional, encanta-se com os belos locais cênicos, a biodiversidade, o patrimônio ancestral e a cultura local. Entre as atrações turísticas estão sítios arqueológicos que revelam a história local e, claro, as experiências gastronômicas, tudo com uma receptividade hospitaleira.

Conheça os principais atrativos turísticos do Amazonas peruano:

Foto: Reprodução/ANDINA

Cidade de Chachapoyas

Fundada pelo conquistador espanhol Alonso de Alvarado, em 5 de setembro de 1538, com o nome de San Juan de la Frontera de los Chachapoyas, esta cidade deve seu nome à palavra "Sachapuyos", que em espanhol significa "homens da bruma", atribuindo esse nome ao denso nevoeiro que costuma cobrir o morro do Puma Urco, localizado nas proximidades da cidade.

É uma cidade com grande predominância de casarões de estilo colonial, com telhados de telha e grandes pátios cercados por jardins e varandas coloridas. Entre as residências, destacam-se a Casa de las Dos Rosas, a Casona Montante e a mansão do tradicionalista e recuperador da cultura chachapoyan, Gilberto Tenorio Ruiz.

Há ainda a Praça de Armas, reabilitada graças à intervenção do Ministério de Comércio Exterior e Turismo (Mincetur), por meio do Plano Copesco.

Foto: Reprodução/ANDINA

Fortaleza de Kuelap 

Esta fortaleza construída inteiramente com pedras, entre os séculos XI e XVI dC (depois de Cristo), constitui o maior patrimônio material da cultura Chachapoyas. Está localizado no alto do Cerro Barreta, na parte alta do vale do rio Utcubamba, na província de Luya, a pouco mais de 70 quilômetros a sudoeste da cidade de Chachapoyas.

Este complexo tem uma arquitetura circular que se estende por quase 600 metros e possui um muro perimetral que chega a 19 metros de altura em alguns pontos. Existem três entradas que permitem o acesso ao coração da fortaleza. Em uma delas, as passagens estreitam-se até impedir a passagem de mais de uma pessoa ao mesmo tempo, o que facilitou a defesa de seus antigos habitantes.

Entre as estruturas de Kuelap, destaca-se o Templo Mayor, um dos mais importantes centros cerimoniais. Tem a forma de um cone truncado invertido, com 13,5 metros de diâmetro no topo. Inúmeras evidências de diversas oferendas em rituais complexos foram registradas ali, incluindo a colocação de ossos humanos dentro do recipiente interno, que assim se tornou um grande ossário.

Destaca-se também o Pueblo Alto, localizado ao norte e oeste do sítio e possui um muro que o delimita e o separa do restante do povoado. Possui três setores bem definidos, que são acessados através de dois locais, um que permite o acesso ao setor norte e central e outro que permite o acesso apenas ao setor sul, que é basicamente residencial.

Desde 14 de maio, a fortaleza e complexo arqueológico de Kuelap tornou-se um destino biosseguro para o turismo nacional e internacional ao receber o selo internacional Safe Travels da Mincetur. 

Atualmente, o circuito turístico tradicional em Kuelap encontra-se suspenso desde meados de abril em consequência da queda de parte do muro perimetral e devido às obras de reabilitação e proteção que tem sido realizadas no sítio arqueológico. Desde a primeira semana de julho, o Ministério da Cultura e o Ministério do Comércio Exterior e Turismo (Mincetur) viabilizaram uma rota alternativa. 

Tefelérico

Desde março de 2017, a cidadela de Kuelap pode ser alcançada com mais facilidade graças ao teleférico, o primeiro a operar no Peru, reduzindo o tempo de viagem a pé em aproximadamente três horas ao longo de uma trilha de 32 quilômetros, para apenas 20 minutos. 
Foto: Reprodução/ANDINA
O sistema de teleférico Kuelap permite que os usuários vivam uma experiência única apreciando as paisagens oferecidas pelo percurso da estação de embarque à fortaleza e vice-versa, suspenso a uma altura de 670 metros. A taxa de transferência de ida e volta é de 23,50 soles peruanos (cerca de 31 reais em conversão realizada em agosto de 2022).

Desde o seu comissionamento, este meio de transporte contribuiu para que a região amazônica registrasse mais de 100.000 visitantes e pretende se tornar o segundo destino mais visitado no Peru depois de Machu Picchu.

Cataratas de Gocta

É uma das mais altas cataratas do mundo. Dividida em duas quedas que juntas atingem 771 metros de altura, Gocta é cercada por uma vegetação exuberante e é possível acessá-la após uma caminhada de mais de 6 quilômetros. Com a altura é possível também apreciar um cenário natural espetacular onde se destacam vários tipos de flores e árvores típicas da região.
Foto: Reprodução/Machu Picchu Viagens

Sarcófagos Karajía

São um conjunto de sarcófagos ou caixões segundo a tradição funerária da civilização Chachapoya, localizada no distrito de Luya. Eles são únicos em  tamanho, pois atingem até 2,50 metros de altura e por sua elaboração cuidadosa. O fato de estarem localizadas no alto de uma ravina (tipo de barranco) de difícil acesso permitiu que fossem preservadas intactas por muito tempo.
Foto: Reprodução/ANDINA

Museu de Leymebamba

Inaugurado em junho de 2000, este sítio cultural abriga mais de 200 múmias e suas oferendas funerárias, recuperadas em 1997 da Laguna de los Cóndores, através do projeto arqueológico de emergência dirigido pelo Centro Mallqui.

As tarefas de resgate permitiram recuperar para a história local um valioso acervo arqueológico que corria o risco de desaparecer devido ao vandalismo de saqueadores e visitantes.

A partir de uma iniciativa da Fundação de Bioantropologia Peru-Centro Mallqui, a construção do Museu de Leymebamba foi possível graças ao apoio financeiro de um grupo de cidadãos austríacos e outras doações privadas.

Sala de Exposições 'Gilberto Tenório Ruiz'

É composto por quatro salas que exibem 369 bens culturais da cultura Chachapoyas que desde setembro de 2020 são Patrimônio Cultural da Nação . A primeira sala mostra a localização, flora e fauna da região; na segunda sala são expostos bens culturais da cerâmica estilo Chachapoyas, com influência de Cajamarca e Inca, têxteis e objetos orgânicos; na terceira sala bens líticos; e na quarta sala, as múmias.
Foto: Reprodução/ANDINA

Sonche Canyon

Este cânion também é chamado Huanca Urco e tem uma profundidade de 962 metros. Está localizado a leste da cidade de Huancas, a 2.620 metros acima do nível do mar e tem uma extensão aproximada de 11,45 quilômetros.

Neste espaço existe uma biodiversidade microbiológica que permite evidenciar flora xerófita e pequenos arbustos. Sua fauna é composta por roedores, marsupiais e aves como falcões, perdizes e pombos. Do mirante é possível apreciar a geografia variada e acidentada que compõe o relevo dos Andes amazônicos. 

Os habitantes de Huancas dizem que em alguns meses do ano podem ser vistos condores voando sobre o cânion. Para chegar ao mirante, a viagem começa pela Plaza de Huancas e ele pode ser acessado a pé ou de carro.
Foto: Reprodução/ANDINA

Outras atrações

Entre as outras atrações que podem ser vistas na província de Chachapoyas estão os Túneis de San Antonio, que são formações rochosas em forma de pontes naturais, localizadas sobre o rio San Antonio; o Bosque de Palmeiras Ocol , no distrito de Molino Pampa; e ainda a zona arqueológica de Yálape, de quatro hectares de extensão, que constitui um conjunto arqueológico de pedras unidas com argamassa de barro que pertenceu aos Chachapoyas e data dos anos 1.100 a 1.300 dC.
Foto: Reprodução/ANDINA

Gastronomia

E é claro que não se pode falar de atrações turísticas sem mencionar a gastronomia típica da região. Por estar localizada à beira da floresta, onde convergem a geografia e a cultura andina e amazônica, a gastronomia da região oferece uma grande variedade de ensopados, incluindo o purtumute (feito de feijão e mote, com molho preparado com coentro); e o tacacho (banana amassada e temperada com banha) com cecina (carne de porco seca e defumada).
Foto: Reprodução/ANDINA
Outros pratos emblemáticos incluem juane (arroz e mandioca), patarashca (sopa à base de peixe do rio e ervas aromáticas), Inchicapi (sopa de natas à base de milho e amendoim, acompanhada de carne de frango); e la cazuela (sopa de carne bovina, de aves e de carneiro, acompanhada de vegetais como repolho, cenoura e milho descascado).

*Por Luis Zuta Dávila, da Andina Agência Peruana de Notícias


Veja mais notícias sobre Amazônia Internacional.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 26 Setembro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/