Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quarta, 28 Outubro 2020

Pesquisa descobre 2 espécies de parasitas em brânquias de aracu no Vale do Jari, no Amapá

Uma pesquisa de doutorado voltada a estudar um peixe bem conhecido pelos amapaenses, o aracu, identificou duas novas espécies de parasitas nas brânquias do aracu-caneta e do aracupintado. A descoberta foi certificada em um artigo publicado em revista científica internacional e foi um reconhecimento para um trabalho feito no Vale do Jari, no Sul do Amapá.

Os peixes podem carregar diversas outras espécies de parasitas, e muitos ainda não são nem catalogados.

Pesquisador Marcos Oliveira descobriu novas espécies de parasitas em brânquias de aracu — Foto: Drielly Oliveira/Arquivo Pessoal

 O responsável pelo ensaio é Marcos Oliveira, aluno de doutorado de 28 anos, que estuda a biodiversidade amazônica e, nesse processo, acabou fazendo as primeiras descobertas da carreira científica.

As novas espécies integram a parasitologia pertencente ao grupo Monogenoidea; são elas: Urocleidoides jariensis e a Urocleidoides ramentacuminatus. O pesquisador frisou que o consumo do aracu com os parasitas não afeta a saúde humana, até porque não é hábito do brasileiro consumir as brânquias.

Pesquisa descobre em peixe de rio da Amazônia microparasita que não respira oxigênio

Novas espécies de parasitas foram descobertos em aracu, na Amazônia: Urocleidoides jariensis (à esq.) e a Urocleidoides ramentacuminatus (à dir.) — Foto: Reprodução

De família ribeirinha de Jarilândia, distrito de Vitória do Jari, Oliveira contou que escolheu a região de origem para se aprofundar, pois teria o suporte necessário, como logística e conhecimento da região, para encontrar os peixes da Amazônia que iria estudar. Um dos principais motivos para ter escolhido o aracu foi a dieta do animal.

"Como a Amazônia possui uma riqueza de peixes muito grande, é praticamente impossível uma única pessoa estudar todas as espécies, então a gente tem que selecionar alguns grupos de peixes de forma estratégica para conseguir resultados importantes", detalhou. 

Segundo ele, a presença de muitos parasitas pode ser um problema fatal para os peixes criados em cativeiro, nas pisciculturas, por ser um ambiente de estresse constante. Na natureza, a morte é menos provável por causa do equilíbrio natural.

"Parasitas nas brânquias podem causar algumas lesões se estiverem em grande quantidade. O principal problema que pode causar é a dificuldade de respiração dos peixes, pois é na brânquia que acontece a troca gasosa", falou.

Além de Oliveira, também assinam o estudo o professor orientador Marcos Tavares, do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (PPGBIO); e ainda o professor Marcos Vinícius Domingues e o aluno de doutorado João Neto, da Universidade Federal do Pará (UFPA), que colaboraram com a pesquisa.

Oliveira utilizou técnicas aprendidas com a família ribeirinha para ajudar nos estudos — Foto: Drielly Oliveira/Arquivo Pessoal

Ele começou a coleta em janeiro de 2018, de onde já partiu para a identificação. Nas análises foi identificado que os parasitas existentes ali ainda não haviam sido catalogados.

"Não tinha nada parecido na literatura. No decorrer do tempo, começamos a conversar com pessoas que poderiam auxiliar a gente a descrever essas espécies, foi quando encontrei o professor Marcos Vinícius que topou participar dos estudos", relembrou.

Para o pesquisador, é uma grande realização poder contribuir com a ciência, principalmente dada a origem humilde e da realidade que tinha quando criança.

"Para mim foi um grande marco, a realização de um sonho de graduando: descrever sobre uma espécie nova de um parasita é um marco na história da ciência", disse.

A pesquisa continua, analisando outros parasitas encontrados no aracu. 

Veja mais notícias sobre AmapáEducação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 28 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/