Livro sobre potencial de frutas amazônicas recebe prêmio no maior congresso de nutrição da América Latina

A obra concorreu com outros 42 trabalhos no evento 'Nutri Saber' durante o CONBRAN 2024, levando o destaque como recurso didático inovador sobre alimentação e nutrição.

O livro ‘Frutas da Floresta: o Poder Nutricional da Biodiversidade Amazônica”, publicação financiada pelo Instituto Mamirauá; Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); e The Conservation, Food and Health Foundation, recebeu menção honrosa pelo melhor material didático-pedagógico na 28ª edição do maior congresso de nutrição da América Latina, o Congresso Brasileiro de Nutrição (CONBRAN), realizado em São Paulo-SP, no final de maio. 

A obra, escrita por pesquisadores e técnicos do Instituto Mamirauá, Universidade Federal do Pará, Universidade Federal do Rio Grande do Norte e do LabNutrir/UFRN, concorreu com outros 42 trabalhos no evento ‘Nutri Saber’ durante o CONBRAN 2024, levando o destaque como recurso didático inovador sobre alimentação e nutrição.

Segundo Daniel Tregidgo, pesquisador do Instituto Mamirauá e um dos autores da obra, “o livro está sendo muito bem recebido pelas pessoas responsáveis pela saúde e educação (geralmente Agentes Comunitários de Saúde e professores) de mais que 100 comunidades do Médio Solimões onde já foi entregue, muitos os quais comentaram como faltava material regionalizado e lúdico sobre alimentação, fundamental para trabalhar o resgate alimentar cultural”.

A proposta do livro Frutas da Floresta: o Poder Nutricional da Biodiversidade Amazônica é combater a fome e a desnutrição na Amazônia e melhorar a qualidade de vida de moradores locais por meio do aumento do consumo de frutas nativas. O livro visa contribuir com a valorização dos alimentos do bioma amazônico e com o potencial de integração destes com as políticas públicas de segurança alimentar.

A publicação é de autoria de Yasmin Araujo, Elenilma Barros, Claudioney Guimarães, Michelle Jacob, Juliana Maia, Daniel Tregidgo e ilustrado por Noberto Ferreira, com colaboração de Neide Rigo.

Acesse a versão digital AQUI.

*Com informações do Instituto Mamirauá

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Lei determina governo de Rondônia ‘priorizar’ café robusta para consumo na administração pública

Lei publicada em junho já está em vigor. Em caso de descumprimento à norma, decisão deve ser fundamentada, aponta Seagri.

Leia também

Publicidade