Manaus 30º • Nublado
Terça, 31 Janeiro 2023

Tem de tudo! Saiba quais são os principais mercados da Amazônia

Mercado-Adolpho-Lisboa-foto-Robervaldo-Rocha-cmm
Você quer conhecer mais sobre a cultura de um lugar? Vá ao mercado. Afinal, nos comércios é possível comprar produtos oriundos do local, seja uma comida ou ingrediente regional. 

Na Amazônia, a gastronomia e cultura popular são difundidas por meio de grandes feiras. O Portal Amazônia te apresenta os principais mercados das capitais da região amazônica. Confira:

Mercado Elias Mansour (Acre) 

O Mercado Elias Mansour foi inaugurado no dia 1º de julho de 1980 em Rio Branco, no Acre. Com 350 permissionários, entre feirantes e comerciantes, o tradicional espaço no Centro da capital acreana recebe diariamente cerca de 1.000 pessoas em busca dos mais variados produtos, como a farinha, o caldo de tucupi, peixes, verduras, frutas e muito mais.

O mercado leva o nome do libanês naturalizado brasileiro Elias Mansour, que, antes de se tornar comerciante, era pintor de paredes. O mercado está localizado na Rua Sergipe, n°40, Centro.

Mercado Central de Macapá (Amapá) 

Inaugurado em 1953 pelo governador Janary Nunes, a criação do espaço se deu pelo processo de urbanização que a cidade vivia e com o objetivo de atrair olhares para a capital amapaense.

O espaço conta com área para atividades comerciais de produtos e serviços de salões, sapatarias e ervanárias, além de alimentos como peixes, verduras e hortaliças e, é claro, de ser um reduto de apresentações artísticas e culturais.

O Mercado Central está localizado na Rua Cândido Mendes, Perpétuo Socorro, Macapá.

Mercado Adolpho Lisboa (Amazonas) 

Considerado um dos ícones da arquitetura histórica de Manaus, capital do Amazonas, o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, no estilo art nuveau, é uma réplica do Mercado Les Halles, de Paris (França). Símbolo remanescente da época áurea da borracha, o prédio é um expressivo exemplar da arquitetura do ferro no Brasil, tendo seu valor reconhecido por meio de tombamento no Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), desde o fim do século passado.

O mercado abriga 175 permissionários distribuídos em quatro pavilhões: carne, peixe, hortifrúti e pavilhão central, onde são vendidos peixes, artesanato indígena e caboclo, ervaria, frutas e verduras. É o lugar ideal para provar a comida regional, conhecer os produtos típicos da região, comprar objetos de decoração e lembranças do Amazonas.

O mercado está localizado na Rua dos Barés, n°46, Centro.

Mercado Central de São Luís (Maranhão) 

O Mercado Central de São Luís foi fundado em 1864. Entretanto, o prédio original foi demolido e reconstruído pelo interventor Paulo Ramos, em 1939, através de um programa sanitarista, sendo entregue à população em 12 de maio de 1941. Foi chamado durante muito tempo de Mercado Novo, em razão dessa reconstrução. 

O lugar também já foi chamado de Largo do Açougue Velho, pela existência de um curtume que tinha vinculo com o curral municipal, na década de 40. No local, já funcionou o antigo gasômetro, que abastecia os postes de iluminação pública de todo centro da cidade.

O Mercado é bastante procurado pela variedade de produtos comercializados. É possível encontrar: frutas e bebidas regionais, doces caseiros, ervas, plantas medicinais, grãos, além de carnes, aves, peixes, mariscos, legumes, hortaliças, artesanato em palha, couro e madeira, gaiolas, vassouras, funis, entre outras coisas.

O Mercado Central está localizado na Avenida Guaxenduba, n°01, Centro de São Luís.

Foto: Reprodução/Defensoria Pública do Estado do Maranhão

Mercado do Porto (Mato Grosso) 

O Mercado Varejista Antonio Moisés Nadaf ou simplesmente Mercado do Porto, encontra-se na zona urbana do município de Cuiabá e foi entregue oficialmente a comunidade pelo prefeito José Meirelles, em 17 de fevereiro de 1995.

Foi construído pela Companhia de Progresso e Desenvolvimento da Capital (PRODECAP) em uma área de 26.480 mil metros quadrados, no local denominado popularmente como "Campo do Bode", com uma estrutura coberta de 6.182 mil metros quadrados abrigando 480 boxes, sendo 30 para açougues, 28 para o comércio de peixes, 16 para frios/frangos, 16 para condimentos/queijos e doces e 308 para hortigranjeiros, e três edificações cobertas contendo 14 lanchonetes.

O Mercado do Porto está localizado na Avenida Beira Rio, s/n° .

Mercado Ver-o-Peso (Pará) 

O Mercado Ver-o-Peso se estende por um complexo arquitetônico e paisagístico de 25 mil metros quadrados, com uma série de construções históricas em Belém. O conjunto tombado inclui o Boulevard Castilhos França, o Mercado de Carne e o Mercado de Peixe, o casario, as praças do Relógio e Dom Pedro II, a doca de embarcações, a Feira do Açaí e a Ladeira do Castelo. Destaca-se como um lugar de intensa vida social e intercâmbio cultural.

Inaugurada em 1625, no antigo Porto do Pirí, a Casa de 'Haver o Peso' - inicialmente era apenas um posto de aferição de mercadorias e arrecadação de impostos - viria a constituir um grande mercado aberto. O conjunto arquitetônico e paisagístico foi reconhecido pelo Iphan, em 1977. O Mercado de Ferro começou a ser construído em 1899, com influência europeia, seguindo a proposta dos engenheiros Bento Miranda e Raymundo Vianna.

O Ver-o-Peso está localizado na Boulevard Castilhos França, Campina.

Foto: Reprodução/Agência Pará

Mercado Central de Porto Velho (Rondônia) 

Tapioca na folha de bananeira, folha de jambu, remédios naturais, artesanatos, variedades em peixes e frutas são opções que podem ser encontradas no Mercado Central de Porto Velho, entre outros produtos que mantêm as tradições locais. 

São comercializados produtos regionais do Estado e de outros, como Amazonas, Pará, Acre e iguarias da culinária do Nordeste. O espaço, que abriga 79 boxes, foi construído na década de 1960.

O Mercado Central está localizado na Avenida Farquar, n°1346, Pedrinhas.

Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Mercado São Francisco (Roraima) 

Mercado Municipal São Francisco é considerado um dos centros comerciais mais antigos de Boa Vista. Fundado em 1979, o local reúne atualmente um total de 36 estabelecimentos em pleno funcionamento.

Por lá o visitante tem a possibilidade de viver uma verdadeira experiência gastronômica, com a oferta de alimentos regionais, pratos típicos como a paçoca e também produtos de artesanato, dentre outros serviços.

O Mercado Municipal São Francisco funciona todos os dias, das 6h às 18h, na avenida Major Williams, n°1009, Centro.

Feiras cobertas (Tocantins) 

As feiras cobertas em Palmas existem desde o começo da cidade e são a cara da cultura popular local. A Feira da 304 Sul – Espaço Popular Mário Bezerra Cavalcante é a mais antiga e tradicional da capital tocantinense e tem um amplo espaço de alimentação, um dos mais procurados pelos visitantes. 

Palmas também conta com feiras na Arno 33 (307 Norte), Arno 61 (503 Norte), Arse112 (1106 Sul), Aureny I, Aureny III e Taquaruçu Grande. São opções mais práticas para quem busca verduras, legumes, pescado, além de especiarias e conhecer o artesanato regional.

Conheça os horários e dias de funcionamento de cada feira:

Arno 61 (503 N) – quarta-feira, das 13 às 21 horas
Arno 33 (307 N) – inicia sábado às 8 horas e segue até domingo às 13 horas
304 S – terça-feira, das 8 às 23 horas e sexta-feira, das 8 às 23 horas seguindo até às 13 horas de sábado
Arse 112 (1106 S) – quinta-feira, das 8 às 23 horas
Aureny I – inicia sábado às 8 horas e segue até domingo às 13 horas
Aureny III – quarta-feira, a partir das 18 horas
Taquaruçu Grande – domingo, das 6 às 13 horas
Foto: Reprodução/Prefeitura de Palmas

Veja mais notícias sobre CulturaAmazônia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 31 Janeiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/