Manaus 30º • Nublado
Terça, 31 Janeiro 2023

Exposição sobre línguas indígenas ganha versão virtual

A versão virtual da mostra temporária Nhe'ẽ Porã: Memória e Transformação, exposição que está atualmente em cartaz no museu da língua portuguesa, em São Paulo, aborda as línguas e culturas indígenas do Brasil. Segundo a instituição, essa será a oportunidade de mais pessoas poderem conferir a exposição, que é dedicada às mais de 175 línguas indígenas que ainda são faladas no Brasil.

A versão virtual e gratuita da exposição está disponível no site: https://nheepora.mlp.org.br/, as pessoas vão poder percorrer as salas expositivas, conhecer mais detalhes sobre as obras, assistir aos vídeos e objetos interativos que fazem parte da mostra e até ouvir os sons ambientes como o de pássaros da floresta. Um dos vídeos que poderá ser visto virtualmente é Resistência Indígena, de Daiara Tukano e do Coletivo Bijari, que mostra como o processo de colonização e os conflitos de terra fizeram com que o número de línguas indígenas passasse de cerca de mil no ano de 1500 para apenas 175 nos dias de hoje.

Mostra temporária Nhe'ẽ Porã: Memória e Transformação - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O visitante virtual também poderá se arriscar a falar algumas palavras em línguas como o xavante, o tuyuka e o terena. E poderá até participar de um karaokê cantando uma música indígena.

Nhe'ẽ Porã: Memória e Transformação tem curadoria da artista, ativista, educadora e comunicadora indígena Daiara Tukano e propõe uma imersão nas dezenas de famílias linguísticas às quais pertencem as línguas faladas hoje pelos povos indígenas do Brasil. O nome da exposição, segundo a curadora, é um conceito dos povos guarani e significa "boas palavras, bons pensamentos, bons sentimentos, palavras doces que vêm de coração para tocar o coração de cada pessoa".

Mostra temporária Nhe'ẽ Porã: Memória e Transformação - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

"Buscamos palavras doces para narrar trajetórias de resistência e luta dos povos indígenas. E, a partir desse sopro, esperamos encontrar uma escuta cuidadosa e disposta a se abrir à transformação", diz o texto de abertura de uma das salas da mostra virtual. 

Não são apenas belas palavras que ilustram a exposição. Sons, fotografias, vídeos e objetos indígenas – entre os quais trabalhos de Denilson Baniwa, Jaider Esbell e Paulo Desana – são apresentados para contar a história dos povos indígenas, mostrando identidade, cultura, memórias e trajetórias de luta e de resistência.

Altaci é do povo Kokama, que vive no Alto Solimões, no Amazonas. "Queremos, com isso, dar visibilidade à diversidade cultural e linguística dos povos indígenas no Brasil. Que todos possam ter outro olhar sobre os povos indígenas"

indígena Altaci

Segundo Altaci, poucas pessoas falam o Kokama atualmente no Brasil. "Estamos em um processo de fortalecimento. Perdemos mais de 70 anciãos durante a pandemia. E isso foi um baque para uma língua que está em fortalecimento. Por outro lado, isso também nos fortaleceu, porque somos um povo da tríplice fronteira – Brasil, Peru e Colômbia. E unimos forças com o povo do Peru para continuarmos fortalecendo nossa língua", acrescentou.

Ytatxĩ Guaja, da etnia Awa Guajá, vive em Bom Jardim, no Maranhão. "A exposição é muito linda''. Sorrindo, Ytatxĩ disse ter reconhecido a própria voz em uma das partes da exposição que apresentam o som de palavras indígenas. 

Indígenas tocam o trocano, instrumento feito com tronco único de madeira - Rovena Rosa/Agência Brasil

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 31 Janeiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/