Em ritual de povo indígena, mulheres só se tornam artesãs após primeiro ciclo menstrual

Na cultura do povo Paíter Suruí, em Rondônia, o primeiro ciclo menstrual de uma jovem marca o momento de passagem para a vida adulta.

Foto: Emily Costa/g1 Rondônia

Na cultura do povo indígena Paiter Suruí, o primeiro ciclo menstrual de uma jovem marca o momento de passagem para a vida adulta. Na Terra Indígena (TI) Sete de Setembro, em Cacoal (RO), o ritual chamado de “resguardo cultural” ocorre em uma maloca, durante um mês. Lá, elas aprendem várias atividades importantes para a vida adulta, mas principalmente o artesanato.

Os Suruí de Rondônia se autodenominam Paiter, que significa “gente de verdade, nós mesmos”. Eles falam uma língua que pertence ao grupo Tupi, da família Mondé, e vivem na TI Sete de Setembro, localizada no sudeste de Rondônia e noroeste do Mato Grosso.

Leia também: Paiter Suruí, “o povo de verdade”: conheça os fundadores da primeira agência de turismo indígena do Brasil

Kailane Suruí tem 13 anos e conta que antes da primeira menstruação, as jovens só podem fazer canecas de barro e não tem permissão para confeccionar outros tipos de artesanato.

Resguardo cultural: processo de purificação

No momento do primeiro ciclo menstrual, as jovens Suruí ficam em uma maloca (tradicional habitação indígena) sob os cuidados da mãe. Durante o ‘resguardo cultural’, elas aprendem novos comportamentos, formas de alimentação, educação, conselhos e serão capacitadas para se tornarem artesãs.

Na cultura Paiter Suruí, esse é um dos rituais mais importantes na vida de uma mulher indígena. É nesse ‘processo de purificação espiritual’ que ela se prepara para assumir as responsabilidades dessa nova fase.

Aldeia indígena Lapetanha na TI Sete de Setembro, em Cacoal — Foto: Emily Costa/g1 RO
 Foto: Emily Costa/g1 Rondônia

“Antes, as mulheres ficavam mais de um ano em uma maloca passando por esse processo de purificação, mas hoje em dia, no máximo, a indígena fica de 30 a 40 dias, para respeitar o psicológico dessa jovem”, explica Celso Suruí.

Após esse processo de mudança, a indígena passa a auxiliar as outras mulheres da aldeia na confecção e venda de artesanatos. Além de garantirem uma forma de renda.

Artesanato

Canecas e cuias de argila, brincos e colares de tucumã, e cordão de algodão, são alguns dos artesanatos confeccionados pelas mulheres Suruí. Os produtos são feitos manualmente com matérias-primas extraídas dentro da Terra Indígena (TI). Isso porque, o modo de vida tradicional desta etnia está ligado ao uso dos recursos da floresta e às atividades extrativistas, ou seja: os frutos produzidos dentro da TI, além de gerarem renda, também contribuem para alimentação e manutenção da forma de vida desses povos.

Caneca feita de argilha por mulheres Paiter Suruí — Foto: Emily Costa/g1 RO
Foto: Emily Costa/g1 Rondônia

Já os cascos e partes de árvores se tornam matérias-primas para a confecção de peças e acessórios exclusivos da cultura Suruí. A venda é feita na aldeia e os maiores compradores são pessoas que visitam e se hospedam na Yabnaby (agência de etnoturismo que fica dentro da TI).

Além disso, eles possuem diferentes modelos de cocar tradicional da etnia: cada formato é feito para ocasiões e indivíduos específicos, como líderes e jovens. Já em relação a esse tipo de artesanato, somente o indígena mais antigo da aldeia tem permissão para confeccioná-lo.

*Por Emily Costa, da Rede Amazônica RO

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade