Manaus 30º • Nublado
Domingo, 03 Março 2024

Dia de Darwin: espaço no Centro de Ciências e Planetário do Pará é dedicado à Teoria da Evolução

Um dia de relevância internacional, no qual são celebradas a ciência e a evolução da humanidade. Assim pode ser caracterizado o 12 de Fevereiro, o "Dia de Darwin", inspirado na data de nascimento de um dos pesquisadores mais influentes da história, conhecido como o pai da Teoria Evolucionista. Charles Robert Darwin nasceu há 215 anos na Inglaterra e foi naturalista, geólogo e biólogo. Suas pesquisas o tornaram célebre por todos os avanços que proporcionaram para as Ciências Biológicas.

Darwin foi o primeiro cientista a explicar com rigor como as espécies evoluíram, na obra 'A Origem das Espécies'. A premissa da Teoria da Evolução é de que toda a vida está relacionada com sua descendência pela modificação do ancestral comum. O mecanismo que Darwin propôs para explicar a descendência com modificação foi a 'Seleção Natural'.

Formado no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas e técnico de Biologia do Centro de Ciências e Planetário do Pará (CCPPA), João dos Santos Neto destaca que o dia 12 de fevereiro é relevante, especialmente para as Ciências Biológicas. "A evolução é essencial para entendermos que as espécies compartilham características homólogas entre elas, trazendo a premissa de que o grupo dos orangotangos, macacos e chimpanzés são mais proximamente relacionados aos humanos por compartilharem características únicas e, justamente por isso, terem um ancestral em comum", explica.

Foto: Monique Hadad/Ascom Uepa

No CCPPA, vinculado à Universidade do Estado do Pará (Uepa), há uma exposição permanente dedicada às Ciências Biológicas, integrando as áreas da evolução, biodiversidade, astrobiologia, geologia e fósseis. No ambiente reservado à evolução, há seis protótipos de diferentes formas de crânio humano, demonstrando o seu desenvolvimento. 

"Nesse espaço, conseguimos observar como as diferentes linhagens de hominídeos foram se diferenciando, no decorrer de sua história evolutiva, e se adaptando às diferentes mudanças, até chegar no homem moderno", 

destaca o professor João Neto.
Foto: Monique Hadad/Ascom Uepa

Os modelos de crânio mostram desde as espécies mais primitivas, como a Paranthropus boisei, até a mais evoluída, a Homo sapiens. Todos foram desenvolvidos para o Centro de Ciências e Planetário do Pará a partir de uma reprodução da coleção da Universidade Johann Wolfgang Goethe, em Frankfurt, na Alemanha.

Experiência

O espaço do Centro de Ciências é apresentado por monitores durante as visitas feitas por estudantes, mediante agendamento das escolas, como também nas que se destinam ao público em geral.

A estagiária Maara Larissa Fiel atua há quase um ano no CCPPA e, durante as visitações, é a responsável por explicar a temática da evolução. "Abordo sobre a evolução de Darwin e ressalto a sua importância. Muitos dos visitantes já ouviram falar da teoria, mas nunca tiveram contato com protótipos de crânios para analisar. No Centro de Ciências, eles têm uma experiência mais visual. As pessoas costumam ficar impactadas", conta.

Maara acrescenta que mostra ao público as diferentes características que os crânios foram obtendo ao longo do tempo. A espécie primitiva Paranthropus boisei, por exemplo, possuía molares que tinham, aproximadamente, o triplo do tamanho do homem moderno. Acredita-se que ele tenha povoado a Terra entre 2,3 milhões e 1,2 milhão de anos atrás.

Foto: Monique Hadad/Ascom Uepa

"O Paranthropus boisei é chamado de 'homem quebra-nozes'. O crânio dele era bem menor se comparado ao hominídeo atual, por conta da falta de nutrientes ingeridos, pois ele apenas se alimentava de raízes cruas. Eu gosto bastante de falar sobre a evolução, porque é legal ver como as pessoas ficam encantadas, e gostam de aprender. É muito gratificante trabalhar aqui", diz a estagiária, que cursa o terceiro semestre da graduação em Ciências Biológicas na Uepa.

Divulgação da Ciência

Além de possuir um espaço voltado à difusão de conhecimentos da Biologia, o Centro de Ciências e Planetário do Pará também possui áreas reservadas à Astronomia, Química, Física, Matemática e Geologia. O acesso ao conhecimento científico é possibilitado de uma forma simples e lúdica, para trabalhar os conceitos e princípios das ciências de maneira contextual.

A estagiária de Biologia Maria Vitória Macedo atua como monitora nas visitações do CCPPA há mais de um ano. Ela ressalta a importância de o Centro abarcar várias áreas de conhecimento. "Sabemos que os conhecimentos estão interligados. Temos, por exemplo, um espaço vizinho ao da evolução, que é o da Astrobiologia, que aborda a composição dos planetas e se existe vida em outros planetas. É importante os visitantes perceberem que está tudo relacionado e que as Ciências Biológicas são também uma área importante", ressalta.

Serviço

Atualmente, as atividades do Centro de Ciências e Planetário do Pará estão suspensas para planejamento interno, retornando no dia 20 de fevereiro. Os agendamentos para visitações escolares ou em grupo podem ser efetuados pelo telefone (91) 3284-9116, e-mail ou presencialmente, de segunda a sexta-feira, das 8 h às 16 h.

As visitações abertas ao público não precisam de agendamento prévio e ocorrem em dois dias: quarta-feira, com visita gratuita das 15 h às 17h30, e sábado, das 9 h às 11h30, no valor de R$ 10,00 a entrada inteira e R$ 5,00 a meia, com sessões de cúpula infantil as 9 h, e adulto/juvenil as 11h.

O Centro de Ciências e Planetário do Pará fica localizado na Avenida Augusto Montenegro, s/n – KM-03, bairro Mangueirão, em Belém, próximo aos bairros do Bengui e Marambaia. 

Veja mais notícias sobre CulturaPará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 03 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/