De urnas funerárias a documentos históricos: tour pelo Museu Joaquim Caetano proporciona imersão cultural sobre o Amapá

O acervo traz fotos, peças, vestimentas e material arqueológico de diversos povos da região. Saiba como visitar.

Urnas funerárias e vasos antropomorfos são alguns dos itens em exposição no Museu. 

Visitar o Museu Histórico Joaquim Caetano é fazer uma viagem no tempo e mergulhar na ancestralidade do amapaense. Um dos pontos turísticos mais antigos do Amapá, o espaço é administrado pelo Governo do Estado, e apresenta um acervo herdado do extinto Museu Territorial, com peças arqueológicas, documentos manuscritos, fotografias e objetos históricos.

O local foi a primeira residência oficial do governador, na época Janary Nunes, em 1944, sendo transformado em Museu Territorial em 1948. Quase 20 anos depois, em 1967, o lugar foi reestruturado ganhando o nome de Joaquim Caetano da Silva, abrigando outros órgãos públicos importantes.

Foto: Netto Lacerda/GEA

Dentro do espaço o turista encontra a exposição de artefatos arqueológicos de povos que habitavam o interior do Amapá. São urnas funerárias, vasos e diversos utensílios vindos dos povos que habitavam as regiões de Maracá, em Mazagão, Cupixi, em Porto Grande e no bairro do Laguinho, em Macapá.

Entre as curiosidades está ainda a urna com os restos mortais do patrono do museu, Joaquim Caetano da Silva, doado pela família do governador do ex-Território na década de 50.

Há ainda fragmentos encontrados nas escavações da área do entorno da Fortaleza de São José de Macapá. Quem quiser entender o modo de vida dos ribeirinhos, também conhece vários modelos de canoas, principal transporte utilizado nos rios do Amapá. 

Foto: Netto Lacerda/GEA

O gerente do museu, Sávio Bordalo, destaca a importância do próprio amapaense conhecer sua história e de pessoas de fora do estado para fomentar o turismo no Amapá.

“Ajuda aos nossos cidadãos a conhecerem sua história, estimulando nosso conhecimento regional e também a oportunidade de difundir essas informações para os turistas que vêm ao nosso estado”,

destacou o coordenador do Museu.

Foto: Netto Lacerda/GEA

 “Ajuda aos nossos cidadãos a conhecerem sua história, estimulando nosso conhecimento regional e também a oportunidade de difundir essas informações para os turistas que vêm ao nosso estado”,

Serviço 

Os dias de funcionamento do Museu Histórico Joaquim Caetano da Silva são de segunda à sexta, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 13h. A ampliação do atendimento ao público é uma forma de estimular os amapaenses e turistas a conhecerem o espaço recém-revitalizado.

 PAC Patrimônio Histórico

Neste ano, o Governo do Amapá obteve a aprovação do projeto de requalificação do Museu Joaquim Caetano pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A iniciativa vai garantir a ampliação do espaço e conta com um investimento de mais de R$ 660 mil, do Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), para preservação e revitalização do local é crucial para a proteção de acervos e da memória do estado.

O Novo PAC do Patrimônio Histórico representa um esforço do Governo Federal para preservar e promover a riqueza cultural do Brasil, com investimento significativo de aproximadamente R$ 712 milhões até 2026. O PAC está realizando obras em 139 locais, distribuídos em 35 municípios de 17 estados, em parceria com diversas instituições e órgãos governamentais.

Além disso, o programa está impulsionando 105 projetos de recuperação de patrimônios culturais em 83 municípios por todo o país. Esses esforços visam fortalecer a identidade e memória cultural, promovendo um vínculo ainda mais forte entre as comunidades e seus patrimônios.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Aurora Luzitana’: livro revela história dos portugueses maçônicos no Amazonas

Em mais de 400 páginas, com um exclusivo acervo de imagens, Abrahim Baze revela grande parte da história dos maçons lusitanos no Amazonas.

Leia também

Publicidade