Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quarta, 25 Novembro 2020

III Festival Olhar do Norte tem data marcada: 5 a 7 de dezembro; veja os filmes em destaque

WhatsApp-Image-2020-11-05-at-16.35.22

Em parceria com o site Cine Set e com a Videocamp, o III Olhar do Norte acontecerá de 5 a 7 de dezembro, com toda a sua programação disponibilizada de maneira gratuita e online. Neste ano, o festival conta com duas mostras, que já estão definidas. A Mostra Norte, que é competitiva, e reúne curtas-metragens de toda a região que disputarão os prêmios a serem concedidos por júri técnico.

A novidade fica por conta da Mostra Olhar da Pandemia, com filmes realizados a partir de março de 2020, em que o contexto da pandemia do COVID-19 é abordado de maneira direta ou indireta.

Para Diego Bauer, um dos curadores do Olhar do Norte, a terceira edição tem potencial para ser a mais bem sucedida até aqui: "Conforme a gente vai realizando o festival, ano após ano, vamos entendendo melhor as possibilidades de fazer um evento como esse. Por conta das dificuldades que 2020 nos impôs, adiamos o festival até finalmente termos essa data em dezembro, e com isso pudemos acompanhar a realização online de alguns dos mais relevantes festivais de cinema do Brasil, e como a partir dessa proposta eles chegaram a ainda mais lugares. 

Tendo em vista a qualidade dos filmes que temos este ano, e o cenário que está mais aberto e curioso para acompanhar o cinema de outros centros, como é a região norte, fico muito confiante de que a terceira edição tem potencial para expandir ainda mais os horizontes que encontramos nos dois anos anteriores".

Seguem os filmes participantes da mostra norte

À Luz do sol (PA) – Dir. Edielson Shinohara 13'

Ari y yo (PA) – Adriana de Faria 12'

Jackselene (AM) – Dir. Maria Yole Bezerra 13'

No dia seguinte ninguém morreu (AM) – Dir. Gabriel Bravo de Lima 8'

O estranho sem rosto (AM) – Dir. Lucas Martins 10'

O medo das árvores (RO) – Dir. Édier William 19'

Mezanino (AM) – Dir. Bruno Villela e Marcelo de Moura 12'

Raimundo Quintela o caçador vira porco (PA) – Dir. Robson Fonseca 15'

Ratoeira (AM) – Dir. Romulo Sousa 12'

Tucandeira (AM) – Dir. Jimmy Christian 17'

Olhar do Norte terá sessão de A FEBRE, DE MAYA DA-RIN, dia 14/11

O III Festival Olhar do Norte apresentará uma sessão inédita do longa-metragem "A Febre", de Maya Da-rín, no dia 14 de novembro, às 20 horas, no Playarte do Manauara Shopping. A sessão será um evento de pré-lançamento do festival.

"A Febre", que foi gravado em Manaus, já recebeu 30 prêmios no momento e foi selecionado para mais de 50 festivais em todo o mundo. O longa estreou mundialmente no Festival de Locarno, na Suíça, conquistando três prêmios (Pardo de Melhor Ator, para Regis Myrupu, prêmio da crítica internacional FIPRESCI e o prêmio "Environment is Quality of Life"). No Festival de Biarritz (França) e no Festival de Pingyao (China) conquistou os prêmios de Melhor Filme. No Brasil o longa conquistou três prêmios no Festival do Rio 2019 (Melhor Direção, Prêmio Especial do Júri e Melhor Som) e no 52º Festival de Brasília conquistou cinco candangos (Melhor Longa-Metragem, Melhor Direção, Melhor Ator para Regis Myrupu, Melhor Som e Melhor Fotografia).

A trama narra a história de Justino, um indígena do povo Dessana que trabalha como vigilante em um porto de cargas e vive na periferia de Manaus. Desde a morte da sua esposa, sua principal companhia é a filha Vanessa, que está de partida para estudar medicina em Brasília. Como o passar dos dias, Justino é tomado por uma febre forte. Durante a noite, uma criatura misteriosa segue seus passos. Durante o dia, ele luta para se manter acordado no trabalho. Porém, sua rotina no porto é transformada com a chegada de um novo vigia. Nesse meio tempo, seu irmão vem de visita e Justino relembra a vida na aldeia, de onde partiu há mais de vinte anos.

"A exibição de A Febre no Olhar do Norte é motivo de enorme satisfação pra gente. Não apenas pelo fato de ser um filme de trajetória gigante em diversos festivais pelo mundo, mas pela delicadeza e relevância das discussões que propõe. Pude ver de perto o filme sendo feito, fui 3º assistente de direção do filme, e ali pude ver todo o dedicado trabalho da direção na relação com Manaus, com os atores, os dramas ali expostos. Ter a chance de assisti-lo numa sala de cinema é um verdadeiro presente, e fico feliz que mais pessoas da cidade também terão essa oportunidade", afirma Diego Bauer.

Por conta das medidas de isolamento, apenas metade da capacidade da sala será ocupada. 

Veja mais notícias sobre ArteCulturaNotíciasPará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 25 Novembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/