Manaus 30º • Nublado
Terça, 28 Junho 2022

Diretor do Corpo de Dança do Amazonas apresenta coreografias na Alemanha e nos Estados Unidos

Companhias de dança da Alemanha e dos Estados Unidos vão apresentar coreografias criadas pelo diretor artístico do Corpo de Dança do Amazonas (CDA), Mário Nascimento. O coreógrafo da companhia já viajou para Dresden, no leste da Alemanha, onde vai passar um mês montando e transmitindo a coreografia aos bailarinos alemães.

O espetáculo 'Alemanha – BachBrasil | A Arte da Fuga – A dança-teatro de Mário Nascimento' estreia no dia 17 de abril. A passagem pelos EUA também será de um mês, segundo o diretor do CDA, que viaja para o país em setembro. Ao todo, 17 bailarinos de Minnesota (EUA) também vão apresentar a coreografia de Nascimento na turnê americana a partir de outubro.

Foto: Michael Dantas/Secom

Além das apresentações internacionais, o diretor também montará, em junho, a coreografia da companhia de dança do Teatro Guaíra, em Curitiba (PR). A estreia da apresentação será em agosto.

Nascimento destaca que a temática amazônica e a qualidade do balé amazonense foram notadas pelas companhias internacionais a partir da apresentação do CDA, em outubro do ano passado, na abertura do Festival de Dança de Joinville.

"Todos os trabalhos tem um lugar de discussão, não é somente fazer uma coreografia, que as pessoas vão gostar como um entretenimento. Ela tem que causar uma reflexão do que estamos vivendo neste momento. Eu levei essa discussão com o CDA no espetáculo ('TA – Sobre Ser Grande'). No caso do CDA foi uma coreografia muito forte, que tem um peso e chamou a atenção", 

destaca o coreógrafo.

Corpo de Dança do Amazonas

Criado em 1998, o Corpo de Dança do Amazonas (CDA) é mantido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. Há dois anos no comando do CDA, Mário Nascimento destaca a companhia que dirige como uma das melhores do Brasil. Para ele, o Corpo de Dança tem características únicas que o diferencia dos demais corpos públicos do país.

"É a maneira de dançar, de estar em cena, os corpos, a estética da companhia, o tempo que ela trabalha e o fato dela estar aqui dentro da Amazônia. Tem um lugar próprio, uma linguagem que deu muito certo com meu trabalho, que veio como uma simbiose acertada", conclui.

Veja mais notícias sobre Arte.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/