Amor e rivalidade: conheça histórias de casais que se apaixonaram pelo torcedor do contrário

Caprichoso e Garantido, os bois-bumbás do Festival Folclórico de Parintins, são um clássico que representa a rivalidade na região Amazônica. Mas é possível se apaixonar por alguém "do contrário"?

Desde que o mundo é mundo, o amor e a rivalidade existem. Na região amazônica, rivalidade é uma palavra conhecida já que existem grandes embates, como Remo x Paysandu ou açaí com ou sem leite condensado. Caprichoso e Garantido, os bois-bumbás do Festival Folclórico de Parintins, são também um clássico, certo? Mas é possível se apaixonar por alguém “do contrário”?

📲 Confira o canal do Portal Amazônia no WhatsApp

Bem, essa é uma história que parece impossível, mas mostra que os opostos se atraem, principalmente, quando paramos para pensar que amor e rivalidade podem andar lado a lado. Afinal, os rivais precisam um do outro para se tornarem grandes.

O Festival de Parintins é um grande exemplo disso, pois traz a tona o lado competitivo dos amazonenses. Criado em 1966, é um evento popular celebrado anualmente na cidade de Parintins (distante a 369 quilômetros de Manaus). É um dos eventos culturais mais tradicionais do país, sendo marcado pela disputa travada entre os bois Garantido e Caprichoso. As apresentações fazem parte das danças de boi-bumbá.

O boi Garantido tem a cor vermelha, enquanto o boi Caprichoso tem a cor azul, e a rivalidade entre os dois lados é intensa. O festival se tornou tão grande que foi  tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural do Brasil.

A rivalidade entre os torcedores é tão grande que a cidade é literalmente dividida entre as duas cores. E neste cenário, que apesar de toda rivalidade, diversas histórias de amor nascem e florescem.

Sorteio

Os olhares de Marcos Moura e Isabela Persilva se cruzaram há 24 anos. Na época, Isabela dançava no Grupo de Dança Movimentos (GDM), que passou a se chamar Corpo de Dança Caprichoso (CDC Manaus). Já Marcos era dançarino do Garantido Show. Porém, eles seguiram suas vidas e um encontro no ano passado mudou tudo.

“O GDM fez um evento onde reuniu todos os ex-dançarinos. E eu passei a trabalhar na assessoria do Bumbá Garantido, além de fazer apresentações durante os eventos no Sambódromo. Em uma das festas, acabei reencontrando a Isabela e trocamos telefones”, contou Marcos.

Do bate-papo, surgiu um namorado, que em seis meses evoluiu para um casamento. Só que essa é a primeira temporada bovina que os dois vão passar casados: um torcedor do Garantido e uma torcedora do Caprichoso.

“A vida de casados não atrapalhou a nossa presença nos ensaios dos bumbás. Respeitamos muito o espaço do outro, claro que existem as brincadeiras, entretanto, sabemos o limite. Eu vou para o Bar do Caprichoso e a minha esposa me acompanha no Curral do Garantido. Para esses eventos, preferimos usar cores neutras”, destacou Marcos.

Isabela e Marcos. Foto: Marcos Moura/Arquivo pessoal

Para o Festival de Parintins, que acontece na Ilha Tupinambarana, os dois vão assistir as apresentações juntos. Para isso, eles decidiram que na primeira noite vão acompanhar do lado vermelho do Bumbódromo. Na segunda noite, do lado azul da arena. E a terceira noite? “Vamos fazer um sorteio para a última noite”, confessou Marcos.

Recentemente, um vídeo do casal viralizou nas redes sociais e mostra que mesmo casando com um torcedor contrário é possível se divertir. “Somos envolvidos com o Festival de Parintins e a história dos bumbás, mas não existe espaço para tanta rivalidade. Apenas umas farpas daqui e dali”, brincou.

Amor de Carnaval

A paixão também pode surgir fora da temporada bovina. Entre a folia e bloquinhos de Carnaval, o casal Sidnei Santos e Aldayr Menezes se conheceram e a relação foi evoluindo aos poucos. “A gente se viu pela primeira vez no Carnaval de 2023. Começamos a nos seguir nas redes sociais e iniciamos um bate-papo. Até o final do Carnaval deste ano, a gente ainda não estava em um relacionamento. Aconteceu tudo de maneira orgânica”, contou Sidnei.

Mas há três meses, eles decidiram formar um casal. Um “pequeno” detalhe: Aldayr é torcedor do Caprichoso. Enquanto, Sidnei não tinha um boi favorito, mas sempre se via nas festas do Garantido e acabou criando um carinho pelo touro branco.

“Até então a gente não tinha essa questão de boi contrário. Porém, este ano vamos juntos para Parintins, inclusive é a primeira vez que vou. No início, o Aldayr até brincava que ia me “converter”, mas isso nunca aconteceu de fato”, afirmou Sidnei.

Sidnei e Aldeyr, rivalidade sem cobrança. Foto: Sidnei Santos/Arquivo pessoal

Para Sidnei, a rivalidade fica apenas dentro do Bumbódromo. Inclusive, Sidnei, que é estilista, confecciona os adereços e estiliza as roupas do casal. “Ele é a minha vitrine, mesmo sendo do contrário, pois quando crio as peças dele eu preciso pensar no Caprichoso. Já o Garantido é a inspiração para as minhas roupas”, assegurou.

No fim das contas, o amor é a palavra de ordem para Sidnei e Aldayr. “Não sei como seria se fossemos do mesmo bumbá, assim, não consigo imaginar, sabe? Só que a nossa relação é muito boa. Até então, não tivemos nenhum atrito”, disse o estilista.

Rivalidade e amor

E quem disse que amor da juventude não dura? Thaís e Luan Fonseca se conheceram na escola. Eles estudaram juntos no ensino fundamental e médio, em Parintins. Casal na vida. Rivais no Bumbódromo.

Toda a família de Thaís torce para o Garantido. E toda família de Luan torce para o Caprichoso.

“Nós somos filhos de Parintins. Sempre participamos das festas dos bumbás Garantido e Caprichoso. Gostamos muito de estar e participar de tudo”, contou Luan.

Dessa união, nasceu a pequena Linda Eva, de dois anos. Segundo Luan, a pequena ainda não escolheu o seu boi, mas brinca e vibra muito com as toadas de ambos. Para a criança, o touro negro é ‘Malúú DúDú’, enquanto o boi vermelho e branco é ‘Titide’.

“O único problema é que a Thaís põe a menina toda de vermelho, mas tenho esperança de levar a Eva para o Caprichoso”, confessou Luan. 

Thaís e Luan, cada um curtindo o seu bumbá. Foto: Arquivo Pessoal

Por Parintins, cada um usa a cor do seu respectivo bumbá. Durante o Festival, Thaís faz questão de estar do lado vermelho, apesar de já ter acompanhado o espetáculo no camarote do lado azul junto a Luan. “Ano passado, por exemplo, cada um assistiu ao festival do lado do seu boi, eu no camarote do Caprichoso e ela no do Garantido”, revelou Luan.

E quanto a rivalidade? Para Luan, o casal funciona bem mesmo com a disputa dos bumbás. Só que as brincadeiras sempre vão existir. “É inevitável. Nos últimos anos, a Thaís anda meio triste porque o boi dela não ganha. Fica mais furiosa ainda quando digo que esse ano vamos buscar o TRIunfo”, brincou. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade