Livro busca através da sociologia entender o homem da Amazônia


Foto: Reprodução/Shutterschock
MANAUS – O doutor Gláucio Campos é um senhor de voz calma e postura leve. Com dedicação e paciência, ele explica calmamente o complexo conceito de sociologia para seus alunos. Sua tese de doutorado, defendida na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 2008, se tornou o livro Ethos e Figurações na Hinterlândia Amazônica, e será publicado esse ano. A proposta é complexa: “entender a sociedade que cerca o amazônida“.
Para ele, o planejamento feito para a Amazônia, através do Governo ou de empresas privadas, têm objetivos claros mas muitas vezes desencadeiam uma série de reações imprevisíveis e não desejadas. Uma das respostas para isso acontece porque não existe uma análise clara da estrutura social, ou mais claramente, uma análise do modo de vida amazônida e suas motivações.
Por exemplo, porque vez ou outra são apreendidos peixes proibidos pela época de defeso em feiras em Manaus? Para o professor Gláucio, o caboclo pescador atua de maneira ilegal porque existe uma demanda. Mas que isso, as relações dele com o mundo criam portas.Se um jornalista em Manaus quiser, por exemplo, pescar pirarucu durante o defeso vai ser bastante difícil. Ele não conhece ninguém que tenha o material para a atividade, nem onde pescar, nem como vender o peixe de maneira ilegal. Entretanto, o irmão ou tio de um membro de uma associação de pescadores vai ter muito mais facilidade para atuar nesse mercado.”As relações de parentesco fazem parte de toda a nossa sociedade. Não à tôa hoje é possível ver mais claramente na corrupção política essas relações de parentesco se tornando mais claras, graças às investigações dos processos. Acontece com os ribeirinhos e no Congresso Nacional. É uma relação universal”, disse Gláucio.LivroDepois da defesa do doutorado, Gláucio resolveu dar mais corpo se transformando em seguida no livro: Ethos e Figurações na Hinterlândia Amazônica, publicado pela editora Valer e Fundação de Amparo a Pesquisa do Amazonas (FAPEAM). O lançamento do livro acontece na próxima quarta-feira (17), no Auditório da Associação dos Docentes da UFAM (Adua), às 15 horas.
Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Pesquisadores brasileiros constataram que a adição de camu-camu à farinha de mandioca amarela é capaz de enriquecê-la nutricionalmente, torná-la...

Leia também

Publicidade